Arquivo da categoria: Alfabetização – Jaguarão

Alfabetização – Jaguarão

Socialização de Resultados com escolas-campo

No mês de março, o Subprojeto Alfabetização  promoveu encontros com cada escola participante. Assim, seguimos o seguinte cronograma: 21/03 (19h) – EMEF General Antônio de Sampaio; 23/03 (18h30) – EMEF Padre Pagliani; 30/03 (19h) – EMEF – João Goulart.  Em cada encontro, os bolsistas apresentaram os principais resultados a partir das práticas de ensino remoto e presencial realizadas com a escola,. Em seguida,  as professoras das escolas fizeram sua avaliação sobre a trajetória do programa na escola, destacando, de modo geral,  o trabalho colaborativo realizado com os bolsistas, que auxiliou muito no acompanhamento das aprendizagens das crianças. Por fim,  os bolsistas discorreram sobre o que aprenderam através das práticas realizadas em conjunto com as professoras.

EMEF GENERAL ANTÔNIO DE SAMPAIO

EMEF JOAO GOULART

Seminário de Encerramento PIBID – Kellen Botelho (1)EMEF JOAO GOULART

 

Reflexões e perspectivas dos Pibidianos do Subprojeto Alfabetização ao longo do ano de 2021

O Diário Reflexivo é aqui entendido como a produção escrita a partir da reflexão dos discentes, levando em consideração o decorrer das reuniões e atividades propostas,  no Subprojeto Alfabetização, escrito o final de cada mês.

Tais Diários têm como propósito tornar o discente participante ativo do processo de seu aprendizado, estimulando-o à autonomia e à auto-avaliação. Vale destacar  que a reflexão refletir ao fim de um processo de ensino – aprendizagem sempre proporciona maior compreensão.

Como instrumento de ensino-aprendizagem, o diário reflexivo possibilita a experiência criativa de reflexão sobre a ação, desenvolvendo assim o crescimento pessoal dos envolvidos nesta prática. Podendo despertar nos envolvidos a auto – análise por seus registros e releituras, percebendo assim, de uma forma mais ampla suas contribuições no processo de ensino aprendizagem.

Tanta para os docentes, como  para os discentes, é um instrumento que serve para repensar e analisar de que forma suas impressões pessoais e avaliativas poderão contribuir para o sucesso ou para o fracasso da  prática em questão.

Ao questionar a própria prática, através destes registros de reflexão, podemos sair da nossa zona de conforto, gerando conflitos que oportunizem a descoberta de novas respostas. Neste processo de questionar e buscar as respostas os envolvidos tornam – se agentes do próprio conhecimento.

 

ALINE – DIÁRIOS REFLEXIVOS PIBID 2021

EDUARDA – DIÁRIOS REFLEXIVOS PIBID 2021

GRAÇA – DIÁRIOS REFLEXIVOS PIBID 2021

JULIARA – DIÁRIOS REFLEXIVOS PIBID 2021

KELLEN BOTELHO

LOUISE – DIÁRIOS REFLEXIVOS PIBID 2021

THAYNA

 

Oficina do Subprojeto Alfabetização na Semana Acadêmica do Curso de Pedagogia

No último dia 16 de dezembro, às 20h20min, as bolsistas de iniciação à docência Aline Silva, Kellen Botelho e Thayná Gomes, acompanhadas da supervisora Dynara Silveira, realizaram a oficina “O Alfaletrar a partir de jogos pedagógicos”, na VIII Semana Acadêmica do Curso de Pedagogia. O objetivo da oficina era apresentar o conceito recente do alfaletrar, de Magda Soares, e demonstrar algumas possibilidades didáticas de viabilização deste conceito na prática, por meio de produções midiáticas. Assim, foram apresentados alguns exemplos de aplicativos e programas para a elaboração de jogos e atividades. As bolsistas também relataram como foi o uso deste material com as escolas-campo, como relatou Aline Silva: “Olhando para o cenário do ensino remoto em meio a pandemia, embora a realidade dos alunos que frequentam a rede municipal de ensino, em sua maioria seja muito precária e muitas vezes não tenham acesso a celulares, computadores e internet de qualidade para que eles consigam utilizar com frequência as mídias de forma educativa, quando isso se faz possível, os jogos tem sim um retorno muito positivo, até mesmo por ser uma maneira bem mais dinâmica para desenvolver as atividades e com infinitas opções de formatos que conseguem alcançar todos os tipos de conteúdos para todas as idades e necessidades. No caso do subprojeto nós conseguimos, a partir de qualquer tema, como lista de compras, contações de histórias, meio ambiente, corpo humano e muitas outras opções, montar jogos que vão auxiliar no letramento dos alunos e isso pode ser feito com todas as turmas e matérias. Vivemos em constante transformação e assim como os jogos interativos, os recursos tecnológicos em geral, como ferramentas de ensino, são práticas que vem se tornando indispensáveis pelo próprio contexto de evolução e adaptação que estamos vivendo. Assim, é importante que sejam incluídas na formação dos docentes práticas utilizando os recursos tecnológicos como ferramentas de ensino. No entanto, é necessário que estas ações sejam planejadas de forma adequada, para que possam atender às novas demandas e que os docentes, assim como os discentes, tenham as ferramentas necessárias para esta implementação”.

Subprojeto Alfabetização Jaguarão no 13º SIEPE

Nossos pibidianos participaram do 13º SIEPE, com o tema “Ciência, Tecnologia e Inovação para um Planeta mais Humano”, neste ano tivemos muitos resumos aprovados e  a alegria de ter um resumo finalista, para concorrer ao prêmio de Cardeal Amarelo.

O resumo finalista tem por título “A importância das brincadeiras na infância”, de autoria da nossa pibidiana Vitória Aléxia Teixeira da Cunha.

Vamos disponibilizar por aqui diretamente, cada resumo submetido pelos pibidianos e também o link para os anais do evento.

PIBID – APRENDIZAGENS SOBRE A PRÁTICA DOCENTE EM TEMPOS DE PANDEMIA

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS NA INFÂNCIA

A CONTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS: UMA POSSIBILIDADE DE INTERAÇÃO EM MEIO A PANDEMIA

A TECNOLOGIA NO CONTEXTO EDUCACIONAL

Link para os anais do 13º SIEPE.

Planejamento Pedagógico desenvolvidos pelos pibidianos do Subprojeto Alfabetização

 

Fonte

O planejamento está presente em quase todas as nossas ações, mesmo quando não colocamos em um papel, pra a execução de uma ação sempre vai existir um planejamento. Portanto, o mesmo é essencial em todos os setores da nossa vida e imprescindível na atividade docente.
O planejamento de aula é de fundamental importância para que se atinja êxito no processo de ensino-aprendizagem.

De acordo com Libâneo “o planejamento escolar é uma tarefa docente que inclui tanto a previsão das atividades didáticas em termos de organização e coordenação em face dos objetivos propostos, quanto a sua revisão e adequação no decorrer do processo de ensino”.

Aqui vamos deixar registrados os planejamentos realizados pelos pibidianos, alguns planejamentos têm foco nas atividades desenvolvidas de forma remota e outras em atividades para serem desenvolvidas de forma presencial, para desenvolver os planejamentos utilizamos diversos recursos, como atividades em folha, vídeos, jogos interativos e outros.

  • MARIANE BOTELHO BASTOS
  • NATASHA RODRIGUES FERNANDES
  • THAYNA CANDIDO GOMES
  • VANLEY FELIPE SOUZA BRANDÃO
  • VITÓRIA ALEXIA TEIXEIRA DA CUNHA
  • YARA DOS SANTOS SOUZA

 

Relatórios Finais dos Pibidianos, incluindo seus Planejamentos:

Aline Gonçalves Silva – Relatório Final

Andressa Machado – Relatório Final

Criciane Fernandes – Relatório Final

Diego Almeida – Relatório Final

Eduarda Machado – Relatório Final

Fernanda Fattah – Relatório Final

Elisa Pereira – Relatório Final

Gabrieli Pinto – Relatório Final

Juliara Silveira – Relatório Final

Kelen Benito – Relatório Final

Kellen Botelho – Relatório Final

Lina Porciuncula – Relatório Final

Louise Parcianello – Relatório Final

Lucas Jesus – Relatório Final

Maria da Graça Mendes – Relatório Final

Mariana Finardi – Relatório Final

Mariane Bastos – Relatório Final

Thayna Candido – Relatório Final

Vitoria Cunha – Relatório Final

Yara Souza – Relatório Final

Subprojeto Alfabetização realiza grupos de estudo sobre a obra ALFALETRAR, de Magda Soares

      No período entre outubro e novembro, o Subprojeto Alfabetização (Campus Jaguarão) está realizando grupos de estudo sobre a obra recente da autora Magda Soares – ALFALETRAR: toda criança pode aprender a ler e a escrever (2020).  O intuito deste estudo é aprimorar o conhecimento sobre os conceitos de alfabetização e letramento e refletir sobre a sua indissociabilidade , que constituiu o termo “alfaletrar”.  O capítulo 1, composto de três unidades foi dividido cada um para os grupos  das três escolas-campo.

      Os pibidianos já vêm desenvolvendo atividades didático-pedagógicas tendo como centro o texto para desencadear o estudo e a compreensão do sistema de escrita alfabética pelas crianças. A importância de confrontar a prática pedagógica com  os estudos teóricos é imprescindível para desencadear a reflexão. E este é o movimento que se pretende desenvolver com o estudo da citada obra. Começamos na última quarta-feira (27/10) com a Unidade 1 – Aprendizagem da língua escrita do Capítulo 1 – Alfabetização e Letramento. Segue abaixo o vídeo de apresentação da unidade pelo grupo da EMEF General Antônio Sampaio:

 

Socialização de resultados no Subprojeto Alfabetização

     No mês de outubro, nas reuniões gerais, pibidianxs do Subprojeto Alfabetização (Campus Jaguarão) compartilharam com o grande grupo os produtos midiáticos produzidos para as turmas de pré-escola e 1º ao 3º ano das escolas-campo. Devido ao ensino remoto,  xs pibidianxs foram desafiadxs a elaborarem vídeos com contação de histórias, brincadeiras e jogos com programas disponíveis na internet. A ideia foi contemplar tanto as práticas de alfabetização como as de letramento, enfatizando as práticas sociais de leitura e escrita, bem como a sistematização dos conhecimentos acerca do sistema de escrita alfabética. Também foram elaborados jogos e brincadeiras que contemplavam os conhecimentos matemáticos relativos à construção do número , aos seus usos e  às operações.  Esta atividade serviu como um momento socialização de resultados alcançados junto às crianças, sendo que foram apresentadas cenas em vídeos com as crianças realizando as atividades ou foram apresentadas folhas de atividades com as produções dos próprios alunos alfabetizandos. A partir destes materiais, foi possível observar que, apesar das adversidades da pandemia, as crianças construíram algum conhecimento.