Sobre o programa

A instalação da Universidade Federal do Pampa na cidade de Jaguarão, a partir de 2006, aumentou a pesquisa efetuada na documentação do Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão (IHGJ), que desde 1966 preserva às fontes documentais históricas do município, abrangendo documentos oficiais como atas da Câmara, da antiga Intendência, assim como os periódicos que circulavam na cidade desde meados do século XIX, além de outros documentos como fotos, cartas, revistas, mapas. Com esta nova demanda, estes documentos, alguns com mais de um século de existência, tiveram acelerado o seu processo de degradação, sendo que o IHGJ não dispunha de recursos financeiros para tomar medidas de preservação do seu acervo.
Neste sentido, foi criado um projeto de extensão universitária que permitisse o acesso aos documentos do IHGJ sem ocasionar sua deterioração, sendo a digitalização uma forma contemporânea de preservação documental utilizada nas mais diversas instituições de pesquisa no país e exterior.

Este projeto previa os seguintes encaminhamentos:
a) catalogação do acervo do IHGJ;
b) Aquisição de um scanner de digitalização de documentos de grandes formatos, denominado de scanner planetário;
c) Disponibilização do acervo digitalizado.

A catalogação do acervo do IHGJ ocorreu entre 2012 a 2014, o qual catalogou as atas da Câmara de Vereadores de Jaguarão entre 1845 a 1889, totalizando aproximadamente 1600 atas. Concomitante a este processo foi transcrito e publicado o livro “Atas da Câmara de Vereadores de Jaguarão (1845-1889), sendo distribuído para a rede escolar do município.
Em 2015 foi adquirido pela Universidade Federal do Pampa o scanner de fabricação alemã Zeutschel OS12000, possibilitando a digitalização de documentos de grandes formatos até A0, o qual foi instalado na biblioteca do campus Jaguarão, sendo que entre 2015 a 2018 foram realizadas as digitalizações das atas da Câmara de Vereadores de Jaguarão entre 1845 a 1889, e periódicos datados desde 1857, resultando em mais de 5000 imagens digitalizadas.
Em 2018, o projeto de extensão foi transformado em programa, o que significa que começou a receber projetos de extensão que tivessem o objetivo de digitalização de acervos, aumentando significativamente a demanda interna do programa, necessitando um novo aporte de recursos e pessoal. Neste sentido, foi criado em 2019 um grupo de pesquisa no CNPq denominado de Digitalização de Acervos Históricos: desenvolvimento de processos para tratamento e processamento de imagens provenientes de arquivo digital, com o objetivo de implementar a difusão do arquivo digitalizado em um site de domínio da Universidade Federal do Pampa.