Estou vacinado, e agora?

Com o avanço da vacinação, algumas atividades estão sendo flexibilizadas. Aos poucos, a vida parece estar “retornando à normalidade”. No entanto, ainda é primordial seguirmos executando todas as medidas de proteção – uso de máscara, distanciamento social, higienização das mãos e evitar aglomerações – para evitar a contaminação ou até mesmo a reinfecção pelo vírus e suas variantes. 😷🤲💦

📌 Você pode pensar que após completar o esquema vacinal está totalmente protegido, mas vale lembrar que o organismo leva em torno de 2 a 3 semanas para conferir a imunidade adequada. Pessoas com mais de 60 anos, que completaram o esquema há mais de 6 meses, e pessoas com baixa imunidade, que fizeram a segunda dose há mais de 28 dias, devem procurar a unidade de saúde ou postos de vacinação para receber a dose de reforço contra a COVID-19 recomendada pelo Ministério da Saúde. 💉

 Salienta-se que, mesmo imunizado, se não houver cumprimento das medidas de proteção, é possível se contaminar com o vírus e com suas variantes. A vacinação contra a COVID-19 reduz as chances de agravamento dos casos e reduz o risco de necessidade de internação, principalmente em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), mas você deve manter os cuidados recomendados para manter o vírus distante.

⚠️ Mesmo com a imunidade adquirida, o vírus e suas variantes se mantêm em circulação! Por isso, ao praticar as medidas de combate ao vírus, você protege a si e aos demais, sobretudo àqueles que ainda não foram imunizados ou não completaram o esquema vacinal.

✳️ Vale lembrar que os protocolos sanitários devem ser cumpridos em qualquer ambiente – comércio, local de trabalho, estabelecimento de saúde, entre outros.

 Estamos ansiosos pelo término da pandemia, mas para que isso ocorra ainda devemos agir com cautela e conscientização. Faça sua parte! 😉

Faça a sua parte: vacine-se!

A vacinação contra a COVID-19 avança no Brasil! Em muitos municípios, já estamos observando a vacinação de adolescentes acima de 12 anos de idade. E você, já se vacinou? Já completou seu esquema adequadamente? Seus familiares também completaram o esquema vacinal?
 
Fique atento às faixas etárias e ao seu prazo de retorno se tiver que receber a segunda dose dos imunizantes AstraZeneca, Pfizer e CoronaVac. Não hesite em se vacinar, pois as vacinas salvam vidas! Vale destacar que pessoas com mais de 60 anos, que completaram o esquema há mais de 6 meses, e pessoas com baixa imunidade, que tenham feito a segunda dose há mais de 28 dias, devem procurar a unidade de saúde ou postos de vacinação para receber a dose de reforço contra a COVID-19 recomendada pelo Ministério da Saúde.
 
➡️ Depois de completar o esquema, seu organismo levará cerca de 2 a 3 semanas para adquirir a imunidade esperada. Isso ajudará a complicações graves e até mesmo a necessidade de internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), caso você seja contaminado pelo vírus. Compartilhe essas informações com seus familiares para que também possam compreender a importância da vacinação e completar o esquema corretamente!
 
Infelizmente, ainda estamos convivendo com o vírus circulando, bem como suas novas variantes. Não é o momento de flexibilizar os cuidados! Para vencer o vírus toda a sociedade deve colaborar utilizando máscara, praticando o distanciamento social, evitando as aglomerações, higienizando as mãos e se vacinando.
 
Não esqueça de continuar cumprindo os protocolos sanitários em todos os ambientes para proteger a si e aos demais. Com responsabilidade e colaboração de todos, venceremos o vírus.

10 de outubro é Dia Mundial da Saúde Mental

🗓 10 de outubro é Dia Mundial da Saúde Mental🧠

Essa data foi instituída pela Federação Mundial de Saúde Mental em 10 de outubro de 1992. Embora tenham ocorrido alguns avanços e quebra de preconceitos, é essencial falar sobre esse tema nos dias atuais, principalmente diante do cenário de pandemia do coronavírus. Ainda é preciso discutir o cuidado com a mente, pois alterações mentais não tratadas podem desencadear muitos impactos negativos ao indivíduo e resultar até em morte.

 A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a saúde mental como prioridade e reitera que é primordial estar atento aos sintomas de alerta como alteração no sono, na alimentação, na disposição interna, nas relações, nas atividades escolares e laborais e tantas outras sinalizações de que algo não está bem.

 Vale destacar que perturbações de natureza mental e transtornos mentais são as doenças mais incapacitantes do século XXI e infelizmente diante das restrições e adaptações impostas pela pandemia do coronavírus, houve um aumento de casos, sobretudo de quadros de depressão e ansiedade. Nesse sentido, os órgãos de saúde reforçam a importância da preservação da saúde mental e da busca por ajuda profissional para lidar com dificuldades e adoecimentos emocionais.

 No Dia Mundial da Saúde Mental, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) reforça a importância de buscar suporte em serviços como Centro de Valorização à Vida (CVV) e Centros de Atendimento Psicossocial (CAPS). Eles são compostos por profissionais da área de saúde mental e/ou pessoas capacitadas para escutar e orientar o enfrentamento de situações de vulnerabilidade de forma adequada.

Além disso, a DASST ressalta que os servidores da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) podem agendar um horário para conversar sobre seus anseios, angústias e/ou situações que estejam causando desgaste e/ou perturbação mental relacionadas ao contexto de trabalho com a psicóloga Camila Perez, que atua na Divisão de Perícias (DP), da Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEPE).

📌 Não esqueça que alguns hábitos como a prática de atividade física (sob orientação profissional), leitura de um livro, assistir um filme, realização de uma videochamada aos amigos e aos familiares, manutenção de uma rotina, brincar com os filhos, se alimentar de forma saudável e solicitação de ajuda profissional podem ajudá-lo a superar etapas difíceis em sua vida.

Zele pelo equilíbrio de sua saúde mental, ela é tão importante quanto sua saúde física! 🧠

Tomei vacina, preciso continuar usando máscara?

Embora muitas pessoas já tenham realizado a imunização contra a COVID-19 é fundamental salientar que, diante do cenário de surgimento de novas variantes do coronavírus, é primordial manter todos os cuidados praticados desde o início da pandemia.

➡️ A vacinação reduz o número de casos graves da doença e a necessidade de hospitalização, principalmente em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Entretanto, não evita que se contraia a doença. Por isso, higienizar as mãos, manter a distância de no mínimo 2 metros entre os demais e utilizar máscara, sobretudo em ambientes fechados, é fundamental para manter o vírus distante. ???

Pessoas com mais de 60 anos, que completaram o esquema há mais de 6 meses, e pessoas com baixa imunidade, que receberam a segunda dose há mais de 28 dias, devem procurar a unidade de saúde ou postos de vacinação para receber a dose de reforço contra a COVID-19 recomendada pelo Ministério da Saúde.

✅ Aja com responsabilidade, cumprindo os protocolos sanitários em qualquer ambientes seja comércio, ambiente de trabalho ou qualquer outro no qual ocorra convívio social e possa propagar o vírus, por um simples descuido.

A pandemia não terminou, por isso não flexibilize os cuidados. Faça sua parte e incentive os demais a colaborarem também. Somente unidos e agindo de forma consciente, venceremos o coronavírus.

#OutubroRosa | Se toque! O cuidado com as mamas é uma forma de demonstrar zelo com a sua saúde.

? Em outubro, celebramos a campanha Outubro Rosa, mês de prevenção ao câncer de mama. Você conhece esse movimento e sabe a importância dele? Vamos falar sobre esse tema, então! ?
 
Em 1990, foi criado o Movimento Internacional de Conscientização para o controle do câncer de mama por meio da Fundação Susan G. Komen for the cure. No Brasil, a data de celebração do Outubro Rosa, bem como as atividades para prevenção ao câncer de mama, foi instituída pela Lei nº 13.733 em 2018. Celebrada anualmente, a data visa compartilhar informações e promover a conscientização sobre o câncer de mama (e mais recentemente sobre o câncer do colo do útero), proporcionar acesso maior a serviços de diagnóstico e de tratamento, além de contribuir para a diminuição da mortalidade. Daremos ênfase ao câncer de mama, por ser o enfoque principal da campanha Outubro Rosa desde sua origem!
 
? O que é o câncer de mama?
 
O câncer de mama é mais comum entre as mulheres, no Brasil e no mundo, correspondendo a cerca de 25% dos casos novos de câncer a cada ano. Esse percentual corresponde a 29% entre as brasileiras, conforme o Ministério da Saúde.
 
O câncer de mama é causado pela multiplicação desordenada das células da mama. Esse processo dá origem a células anormais que se multiplicam, formando um tumor. Existem diversos tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento acelerado, enquanto outros crescem mais lentamente, de acordo com a característica de cada tumor.
 
? O que pode aumentar o risco de ter câncer de mama?
 
Se uma pessoa da família – principalmente a mãe, irmã ou filha – foi acometida pela doença antes dos 50 anos de idade, a mulher possui chances maiores de ter um câncer de mama. Quem já teve câncer em uma das mamas ou câncer de ovário, em qualquer idade, também deve ficar atenta. As mulheres com risco aumentado para o câncer de mama devem tomar cuidados especiais, fazendo, a partir dos 35 anos de idade, o exame clínico das mamas e a mamografia, uma vez por ano.
 
? Quais são os sintomas do câncer de mama?
 
O câncer de mama pode apresentar diversos sintomas, sendo o mais fácil de ser identificado pela própria mulher um caroço no seio, dolorido ou indolor. A pele da mama pode ficar parecida com uma casca de laranja; também podem aparecer pequenos caroços embaixo do braço. Todavia, o câncer de mama também pode ser assintomático. Por isso é essencial que a mulher conheça seu corpo e fique atenta a qualquer alteração nas mamas, buscando avaliação profissional em caso de anormalidades.
 
? É fundamental ficar atenta os seguintes sinais e sintomas abaixo também enfatizados pelo Ministério da Saúde:
Alterações no tamanho ou forma da mama, nódulo único e endurecido, vermelhidão, inchaço, calor ou dor na pele da mama, mesmo que não apresente presença de nódulo, nódulo ou caroço na mama, que está sempre presente e não diminui de tamanho, sensação de massa ou nódulo em uma das mamas, sensação de nódulo aumentado na axila, espessamento ou retração da pele ou do mamilo, secreção sanguinolenta ou aquosa pelos mamilos, assimetria entre as duas mamas, presença de um sulco na mama (como se fosse um afundamento de uma parte da mama), endurecimento da pele da mama( semelhante a casca de laranja), coceira frequente na mama ou no mamilo, formação de crostas ou feridas na pele junto do mamilo, inversão do mamilo, inchaço do braço e dor na mama ou no mamilo.
 
Vale ressaltar que o surgimento dessas anormalidades pode ocorrer de maneira isolada ou simultânea. Os sinais nem sempre indicam a presença de um câncer, sendo necessário consultar um médico para ter o correto diagnóstico.
 
? O que é o exame clínico das mamas?
 
É o exame realizado por médico ou enfermeiro treinado para essa atividade. Neste exame poderão ser identificadas alterações e, se necessário, será indicado um exame mais específico, como a mamografia – um raio X que permite descobrir o câncer quando o tumor ainda é bem pequeno e consequentemente apresenta maior chance de cura da doença.
 
? O autoexame previne a doença?
 
O exame das mamas realizado pela própria mulher, apalpando os seios, auxilia no conhecimento do próprio corpo, porém, esse exame não substitui o exame clínico das mamas realizado por um profissional de saúde treinado. Caso a mulher perceba alguma alteração deve procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo de sua residência. Embora não seja encontrada nenhuma alteração no autoexame, as mamas devem ser examinadas uma vez por ano por um profissional de saúde.
 
? Qual é o tratamento para câncer de mama?
 
Existem muitos tipos de tratamento indicados para combater o câncer de mama. O plano terapêutico a ser adotado deverá ser definido pelo profissional médico, mediante a avaliação de todos os exames realizados e pelos dados fornecidos pelo médico patologista, após a realização de biópsia.
 
A paciente deverá ser informada sobre as melhores possibilidades de tratamento existentes de acordo com as peculiaridades de seu caso. Ressalta-se que é direito da mulher questionar e discutir com o médico todas as opções de tratamento disponíveis.
 
? O Ministério da Saúde reitera que a Lei nº 12.732 de 2012 estabelece que o paciente com neoplasia maligna tem o direito a ser submetido ao primeiro tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS) no prazo de até 60 dias, a partir da data de confirmação do diagnóstico em laudo patológico ou, em menor prazo, conforme a necessidade terapêutica do caso.
 
As modalidades de tratamento do câncer de mama podem ser divididas em:
  • tratamento local: cirurgia e radioterapia;
  • tratamento sistêmico: quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica.
? Como prevenir o câncer de mama?
 
Infelizmente, o câncer de mama não é uma doença totalmente prevenível, devido à multiplicidade de fatores relacionados ao seu aparecimento e ao fato de que vários deles não são atitudes modificáveis.
 
De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos fatores protetores, especificamente aqueles que podem ser mudados com a adoção de hábitos saudáveis como a prática de atividade física (sob orientação de profissional capacitado), alimentação saudável, manutenção do peso corporal adequado, evitar a ingestão de bebidas alcóolicas, amamentação e evitar uso de hormônios sintéticos, como anticoncepcionais e terapias de reposição hormonal.
 
No mês de Prevenção ao Câncer de Mama, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) ressalta a importância de estar atenta a quaisquer mudanças em seu corpo, principalmente na região das mamas. Reforça ainda a importância da realização de exames de forma periódica e da mamografia para combate de doenças, entre elas o câncer de mama. Lembrando que nas unidades de saúde também é ofertado a coleta de citopatológico, exame importante a ser realizado e que pode auxiliar na identificação do câncer de colo do útero.
 
Por fim, DASST presta sua solidariedade a todas as mulheres que estão enfrentando essa luta para combater o câncer de mama. Compreendemos que não é fácil, mas com diagnóstico precoce e tratamento adequado, é possível vencer.
 

? Se toque, faça exames, compareça às consultas e se for necessário, faça o tratamento indicado. Sua saúde merece cada segundo de cuidado dedicado a ela! ?

Checklist de combate à COVID-19

 A pandemia do coronavírus ainda não terminou! 

➡️ Mesmo que o cenário pareça mais favorável e muitas flexibilizações ocorram, é necessário a conscientização de todos para que sejam cumpridos todos os protocolos sanitários, sobretudo naqueles ambientes em que há maior concentração de pessoas, o que pode facilitar a propagação do vírus e suas variantes.

Continue atento aos sintomas do vírus. Se apresentar alterações, busque avaliação em um serviço de saúde. Além disso, complete o esquema vacinal contra a COVID-19 e incentive aqueles que estão ao seu redor a também garantir essa forma de proteção potente.

? Salienta-se que, pessoas com mais de 70 anos que completaram o esquema há mais de 6 meses e imunodeprimidos que receberam a segunda dose há mais de 28 dias, devem procurar um serviço de saúde para receber a dose de reforço da vacina contra a COVID-19, recomendada pelo Ministério da Saúde.

 Se liga no checklist de combate ao coronavírus da DASST e pratique todas as medidas de proteção. Além disso, compartilhe com seus familiares e amigos para que também possam cumpri-lo. Assim, todos estarão mais protegidos, o que reduz a vulnerabilidade ao vírus e, consequentemente, sua disseminação. ?

Juntos somos fortes no combate ao vírus! ?

Campanha #NãoÉNormal | Gestão de Conflitos nas Equipes

A Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEPE), por meio da Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) e da Divisão de Perícias (DP), dá continuidade ao seu projeto de saúde mental, a campanha #NãoÉNormal. Desde junho, esse projeto traz diferentes temas que visam suscitar a conscientização e proporcionar reflexão sobre determinadas situações que, quando presentes, podem impactar negativamente no ambiente de trabalho. 

A temática escolhida para o mês de setembro é “Gestão de Conflitos nas Equipes”.

Os conflitos são inevitáveis, já que onde houver um grupo de pessoas, eles existirão. Além de negar os conflitos, impor soluções, diminuir a importância, relativizar as causas e evitar situações conflituosas são algumas das atitudes negativas adotadas pelas instituições.

Quando se estabelece uma cultura de gestão de conflitos aberta ao diálogo e ao encontro de soluções de forma colaborativa, toda a equipe acaba se preparando para passar por essas situações com mais maturidade, de forma a convertê-las em oportunidades de aprendizado, crescimento pessoal e profissional.

Pensando nisso, preparamos os seguintes materiais que trazem explicações, dicas e ferramentas interessantes para que os gestores consigam praticar uma boa gestão de conflitos nas suas equipes de trabalho:

Cartilha: traz respostas para as perguntas mais frequentes relacionados ao tema do mês como “Quais são as causas de conflitos nas equipes?”, “Quais os impactos dos conflitos que não são bem resolvidos?“, “Como prevenir conflitos negativos?”, “Quais são os estágios de evolução dos conflitos?” e “Como auxiliar na gestão de conflitos?”. Neste mesmo material, você encontra dicas culturais com o intuito de facilitar ainda mais a compreensão deste tema, podendo ser apreciadas nos momentos de lazer, de forma prazerosa. Confira a cartilha deste mês clicando aqui

Cards: 5 situações sobre o que #NãoÉNormal na gestão de conflitos nas equipes que visam gerar reflexão e, se necessário, mudanças de hábitos. São atitudes e comportamentos que não podem ser naturalizados.

Vídeo de curta duração: a psicóloga da PROGEPE, Camila Perez, explica, dentre outros tópicos abordados na cartilha, algumas etapas que devem ser seguidas a partir do momento em que se tem conhecimento da existência de um conflito. 

Este vídeo ficará disponível no canal da Pró-Reitoria de Pessoas (Progepe) no YouTube. Caso ainda não tenha se inscrito, não perca tempo, acesse o canal e inscreva-se para receber as notificações! 

Lembramos que você também pode fazer parte desta campanha publicando em suas redes sociais as imagens dos cards junto com a hashtag #NãoÉNormal. Junte-se a nós!

A gestão inadequada dos conflitos nas equipes #NãoÉNormal e não pode ser naturalizada no ambiente laboral!

Qualquer dúvida ou sugestão referente à campanha, estamos disponíveis para auxiliá-lo. Basta entrar em contato com a DASST pelo e-mail: dasst.progepe@unipampa.edu.br.

Se você, gestor, precisa de suporte e orientação para gestão de conflitos em sua equipe, ou se você, servidor, está passando por conflitos em seu trabalho, entre em contato com a psicóloga Camila, através do e-mail: camilaperez@unipampa.edu.br.

27 de setembro é Dia Nacional da Doação de Órgãos!

? Hoje, dia 27 de setembro, celebramos o Dia Nacional da Doação de Órgãos! O mês de setembro faz alusão à importância do diálogo com a família sobre a doação de órgãos e o respeito à escolha de cada indivíduo, sobretudo após a morte. A campanha é representada pela cor verde. ?
 
➡️ Instituído em 2007 por meio da lei nº 11.584, o principal objetivo do Dia Nacional da Doação de Órgãos é conscientizar a população sobre a importância da doação e conversa com familiares e amigos para que, uma vez manifesta a decisão de ser doador, não ocorra a recusa por parte dos seus entes. O Ministério da Saúde ressalta que os índices de recusa familiar são altos. Tanto no Brasil quanto no mundo, há três motivos principais para essa recusa: incompreensão da morte encefálica, falta de preparo da equipe para fazer a comunicação sobre a morte e religião.
 
? Afinal, o que é transplante de órgãos e tecidos?
 
O transplante é um procedimento cirúrgico realizado para repor um órgão (coração, pulmão, rim, pâncreas, fígado) ou tecido (medula óssea, ossos, córneas) de uma pessoa doente (receptor), por outro órgão ou tecido normal de um doador vivo ou morto.
 
? O que diz a legislação?
 
A Lei dos Transplantes determina que a família será a responsável pela decisão final, não tendo mais valor a informação de doador ou não doador de órgãos, registrada no documento de identidade.
 
? Como funciona a doação para doador vivo?
 
Acima de 18 anos e sendo capaz juridicamente, a pessoa pode doar órgãos a seus familiares. Em casos nos quais a doação será realizada para pessoa que não seja familiar, é exigida autorização judicial prévia.
? Quais órgãos/tecidos podem ser obtidos de um doador vivo?
 
É possível doar em vida: um dos rins, parte do fígado, parte da medula e parte dos pulmões.
 
? Como saber se posso doar em vida?
 
O médico avaliará a história clínica da pessoa e as doenças prévias. É fundamental que haja compatibilidade sanguínea em todos os casos. Além disso, também são realizados testes especiais para selecionar o doador que apresenta maior chance de sucesso.
 
? Após a morte, quais órgãos podem ser doados?
 
Após a morte, a família deverá autorizar a doação. Deste modo, poderão ser doados:
 
Órgãos: rins, coração, pulmão, pâncreas, fígado e intestino.
 
Tecidos: córneas, válvulas, ossos, músculos, tendões, pele, veias e artérias.
 
? Quem é o potencial doador não vivo?
 
São pacientes assistidos em Unidade de Terapia Intensiva que apresentam quadro de morte encefálica, ou seja, morte das células do Sistema Nervoso Central, que determina a interrupção da irrigação sanguínea ao cérebro, incompatível com a vida, irreversível e definitivo.
 
? É importante salientar que a constatação da morte encefálica deverá ser feita por médicos capacitados e de acordo com protocolo estabelecido. Para o diagnóstico de morte encefálica, são obedecidos critérios precisos, padronizados e passíveis de serem realizados em todo o território nacional.
 
? Quem poderá receber os órgãos/tecidos doados?
 
Após efetivada a doação, é realizada a comunicação com a Central de Transplantes do Estado e por meio do seu registro de lista de espera, que é controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT), seleciona seus receptores mais compatíveis.
 
No Dia Nacional da Doação de Órgãos, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) ressalta que doar órgãos é uma atitude nobre que salva muitas vidas. Para algumas pessoas, o transplante de órgãos pode ser a única esperança para viver ou a oportunidade de recomeçar para aquelas que precisam da doação.
 
? Se você tem interesse em ser doador de órgãos, se informe como é esse processo no seu município e não esqueça de conversar com a sua família sobre sua decisão. Em caso de morte, eles terão a responsabilidade de manifestar sua escolha e autorizar a doação. Para os familiares, perder um ente querido causa dor e o luto deve ser respeitado, no entanto também é primordial que tenham consciência de que uma decisão de doação pode representar a salvação de muitas vidas. Se for de sua vontade, ajude a manter essa esperança sempre viva!
 
Mesmo em meio a dor, a decisão de sua família pode simbolizar esperança. Manifeste sua vontade e mantenha vivo esse gesto de amor. Doe órgãos! ??

23 de setembro é Dia Mundial de Combate ao Estresse!

? No dia 23 de setembro, comemora-se anualmente o Dia Mundial de Combate ao Estresse, cujo objetivo é alertar a população sobre os sintomas e hábitos ruins causadores de estresse. ??

? A origem da palavra estresse é “stress”, palavra inglesa que significa “pressão, tensão ou insistência”. Deste modo, o estresse é uma reação do organismo com componentes psicológicos, físicos, mentais e hormonais desencadeados pela necessidade de adaptação a um acontecimento importante em nossas vidas. Aprender a lidar com estresse pode evitar alguns distúrbios mentais, entre eles depressão e ansiedade.

Dividido em três fases (alerta, resistência e exaustão), o estresse pode apresentar sintomas como: agitação, boca seca, suor, dor no estômago, tensão muscular, mãos e pés frios, diarreia, insônia, aperto na mandíbula, ranger os dentes ou roer unhas, aceleração dos batimentos cardíacos, irritação, respiração ofegante, problemas de memória, emotividade, dor de cabeça, queda de cabelo, aumento da pressão sanguínea, apatia, sensação de desgaste físico constante, mal-estar generalizado, mudanças no apetite e alterações no padrão de sono.

? Para evitar o estresse, algumas recomendações são importantes: respiração correta, prática de atividade física regular (sempre orientada por profissionais capacitados), alimentação variada e saudável, momentos de lazer e relaxamento, conversar com amigos e familiares mesmo que por videochamada, manter boa higiene do sono evitando redes sociais e notícias que possam atrapalhar o momento de descanso, manutenção de uma rotina diária e sobretudo, busca por auxílio profissional ao perceber qualquer sintoma ou alteração no organismo que possa colocar em risco sua saúde.

 Nesse dia importante, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) ressalta a importância de manter hábitos saudáveis e zelar pela saúde, realizando exames e consultas de forma periódica. Também é essencial manter a saúde mental em dia, principalmente evitando situações, pessoas ou hábitos que causem estresse.

Saiba mais sobre a reinfecção pela COVID-19

➡️ Em 2021, temos acompanhado o avanço da vacina contra a COVID-19 e um cenário de flexibilização de algumas atividades. Todavia, é fundamental que tenhamos conscientização e responsabilidade para continuar combatendo o vírus. Algumas variantes do coronavírus já estão presentes em nosso país e Estado e causam preocupação por serem transmitidas de forma mais rápida, entre elas a variante delta.
 
? Por isso, é essencial que todos mantenham os cuidados recomendados como uso de máscara (principalmente em ambientes fechados), higiene frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel 70% e distância mínima de 2 metros entre os demais. ???
 
? Destaca-se ainda que idosos com mais de 70 anos que completaram o esquema há mais de 6 meses e pessoas com baixa imunidade que tenham completado a segunda dose há 28 dias devem receber a dose de reforço (terceira dose) contra a COVID-19, conforme orientação do Ministério da Saúde. ?
 
⚠️ Mesmo após a vacinação completa contra a COVID-19, é possível se contaminar com o coronavírus e até mesmo se reinfectar com outra variante do vírus. ⚠️
 
? A Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) traz um material completo para você compreender melhor o assunto e também continuar se protegendo de forma adequada. Confira aqui o pdf e compartilhe com colegas, amigos e conhecidos!
 
Desfrute da leitura e não esqueça: os protocolos de saúde devem ser mantidos em todos os espaços, seja na sua casa e com sua família ou em locais de trabalho, comércio ou demais ambientes de convívio social. Faça sua parte! ?