Arquivo da tag: Campanhas

Você sabe nomear seus sentimentos?

Você sabe nomear seus sentimentos?

Você sabe identificar quando está feliz? Sabe a diferença entre alegria e euforia? E como diferenciar tristeza de angústia ou ansiedade? Embora essas definições ainda sejam um mistério para as crianças – que estão aprendendo a vivenciar essas emoções -, para muitos adultos elas também podem permanecer desconhecidas. Isso porque ainda existe uma dificuldade em falar sobre o que sentimos e como isso influencia em nossas vidas. 

Muitas vezes, por medo de estereótipos e falta de empatia das outras pessoas, entrar em contato com as próprias emoções pode ser especialmente difícil. A sobrecarga que determinado sentimento pode causar, faz com que seja difícil saber explicar como nos sentimos e porque reagimos de determinada maneira a uma situação específica. Mas não reconhecer o que se sente pode levar ao silenciamento dessas emoções — e a consequência disso é o sofrimento emocional.

Para entender um pouco sobre a dificuldade em nomear os sentimentos, é importante voltarmos para a infância. É nesse período da vida que o indivíduo começa a entender o mundo que o rodeia e as sensações e os sentimentos que isso desperta nele. Os adultos responsáveis deveriam, então, realizar uma espécie de “educação emocional” com a criança, ou seja, auxiliar no entendimento do que ela está sentindo em diferentes situações, validar aquele sentimento e ajudá-la a definir aquilo de forma concreta. 

O problema é que, muitas vezes, essa validação não é feita. Quando uma criança faz birra ou tem outro comportamento que os adultos julgam inadequado, é comum ver pais reprimindo aquele sentimento sem tentar explicar o que é ou como lidar com ele. Se, por outro lado, os pais buscarem ter empatia e entender de onde vem aquele comportamento, isso pode abrir uma possibilidade de aprendizado sobre aquela emoção, enriquecendo o repertório da criança e fortalecendo sua autoestima e resiliência. 

Como nem sempre é isso o que acontece, é bastante comum encontrar adultos que buscam a psicoterapia para tentar desatar diversos nós emocionais que começam justamente na dificuldade em nomear o que estão sentindo. Nesse processo, é esperado que algumas pessoas — especialmente as que cresceram em um ambiente sem espaço ou acolhimento para expressar o que sentiam — resistam e sintam-se desconfortáveis ao identificar sentimentos considerados “difíceis” como raiva, ódio, inveja ou tristeza.

Mas é importante lembrar que essas emoções são parte constituinte do que nos faz humanos e vão chegar até nós independente do juízo de valor que fazemos delas. Precisamos reconhecê-las, procurar compreendê-las e encontrar a melhor forma de expressá-las. A ansiedade é outro exemplo que, em certa medida, pode ser positiva, no sentido de nos colocar em alerta diante de alguma ameaça. Uma pessoa consciente das próprias emoções, vai encontrar mecanismos para gerenciar melhor esses sentimentos e transformá-los em ação. 

Chamamos de inteligência emocional a habilidade para perceber, monitorar e expressar satisfatoriamente as emoções nas situações cotidianas, de forma a utilizar os sentimentos como guias para as ações. Saber identificar e lidar com as emoções ajuda a melhor gerir os diferentes relacionamentos na vida pessoal e profissional. Permite que sejam estabelecidas conexões com os outros, que sejamos mais compreensivos e que se tenha uma vida mais saudável e autêntica. 

Como entender melhor os próprios sentimentos? 

Quando estiver diante de uma situação em que há mudança de humor ou algum conflito, escreva em um papel a situação, quem estava presente e o que passou pela sua cabeça no momento. Coloque também os sentimentos e emoções que surgiram no momento, se houve alguma alteração física – como tremores ou dor de cabeça, por exemplo -, e qual foi sua reação na hora. Depois, analise se havia outra maneira de enxergar aquela situação, e se esse outro ângulo faria você se sentir melhor.

Esse é um exercício de auto-observação que induz a diversos questionamentos sobre sentimentos, percepções e formas de lidar e reagir diante do outro. 

Além disso, procurar um profissional da área da psicologia pode ser muito benéfico para desenvolver o autoconhecimento e compreender melhor os próprios sentimentos.

É importante destacar que algumas pessoas podem apresentar alterações significativas ou mudanças repentinas de humor, lhe causando muito sofrimento e prejudicando a relação com as pessoas de seu convívio. Esses indivíduos podem estar acometidos por algum transtorno de humor, como a Depressão ou o Transtorno Bipolar

Se você, servidor, precisa de suporte e orientação em relação à temática abordada, entre em contato com o serviço de psicologia da PROGEPE através do e-mail: psicologia.progepe@unipampa.edu.br.

8 de agosto é Dia Nacional de Combate ao Colesterol

🗓 Hoje, dia 8 de agosto, celebra-se o Dia Nacional de Combate ao Colesterol.
 
➡ O colesterol é um conjunto de gorduras necessárias para o organismo exercer determinadas funções. Ele faz parte da estrutura das células do cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração. É importante para a formação de hormônios e até ácidos biliares, que ajudam na digestão das gorduras da alimentação. Todavia, é necessário ingeri-lo de forma equilibrada para manter as taxas regulares.
 
Existem dois tipos de colesterol: o HDL, considerado “colesterol bom” e o LDL, denominado “colesterol ruim”. Quando em desequilíbrio no organismo, o colesterol torna-se fator de risco para doenças cardiovasculares, aumentando a incidência de Acidente Vascular Cerebral, de morte súbita e de doença coronariana. O desenvolvimento de doenças cardiovasculares está relacionado a vários fatores de risco, tais como: obesidade, aumento do colesterol, pressão alta, diabetes e tabagismo, que podem ser controlados com alimentação saudável e prática de atividades físicas.
 
⚠ O excesso de colesterol ocorre por fatores genéticos e alimentares. Destaca-se que a hereditariedade pode determinar um colesterol alto mesmo em pessoas que tenham hábitos saudáveis. Depois de passar pela circulação sanguínea, o colesterol precisa ser removido novamente pelo fígado para formar bile. Os níveis de colesterol no sangue dependem, principalmente, da capacidade do fígado em removê-lo. Para pessoas com o colesterol aumentado, é importante manter os fatores de risco bem controlados. Além dos níveis de LDL, é preciso controlar a glicose, a pressão, parar de fumar e reduzir o peso, quando excessivo.
 
📌 O colesterol dietético é encontrado somente em alimentos de origem animal. Os particularmente ricos em colesterol são a gema de ovo, vísceras – língua, fígado, coração, etc – e os crustáceos e moluscos – camarão, lagosta, ostra, etc. Está presente também nas carnes em geral, laticínios integrais e manteiga. Porém, o colesterol pode se elevar também com a alta ingestão de gorduras saturadas – presente nos alimentos de origem animal, óleo de dendê e de coco – e trans – gordura vegetal hidrogenada presente em alguns alimentos industrializados como biscoitos, sorvetes, salgadinhos de pacote.
 
Pensando em formas de conscientização e orientação da população, foi criado pelo Ministério da Saúde o Manual da Alimentação Cardioprotetora, no qual os alimentos são classificados por cores, desde a alimentação mais adequada até aquela que deve ser evitada e/ ou reduzida:
 
🟩 Grupo verde: devem ser a base da alimentação diária, estando presentes em maior proporção em comparação com os demais grupos. Esse grupo conta com alimentos in natura e minimamente processados, ricos em vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes – verduras, legumes, frutas, leguminosas, leite e iogurte desnatado -, e não contém nutrientes que prejudicam o coração. São os alimentos mais saudáveis que temos disponíveis.
 
🟨 Grupo amarelo: devem ser consumidos com moderação, conforme necessidade de energia, pois são alimentos ricos em calorias, minerais, vitaminas, sal e gorduras – pães, cereais, macarrão, tubérculos, farinhas, castanhas, doces de fruta, óleos e mel.
 
🟦 Grupo azul: devem ser consumidos em pequenas quantidades e em menor proporção em relação aos grupos anteriores, pois contêm maior quantidade de gordura saturada, sal e colesterol, que podem fazer mal para o coração – carnes, queijos, creme de leite, ovos, manteiga, doces caseiros.
 
🟥 Grupo vermelho: é composto por alimentos ultraprocessados, que possuem como principais características a baixa qualidade nutricional, a alta densidade energética – energia proveniente de carboidratos refinados, gordura saturada e gordura trans – e a elevada quantidade de sal, além de serem feitos com poucas quantidades de alimentos in natura ou minimamente processados. Normalmente, são formulações industriais com muitos aditivos químicos. O grupo vermelho, que não é recomendado para uma alimentação saudável,por isso, o ideal é evitá-lo.
 
✅ No Dia Nacional de Combate ao Colesterol, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) reitera a importância da prática de atividade física e também do equilíbrio na alimentação. Além disso, também é fundamental manter a monitorização do estado de saúde por meio de exames e consultas, sempre respeitando as orientações de tratamento, prescrição e acompanhamento médico.
 
Servidor da Unipampa, pequenos hábitos podem ajudar no controle do colesterol. Fique atento à sua saúde! 😉

Previna-se contra a dengue

➡ Você já deve ter ouvido falar na dengue em outros anos. Atualmente ela preocupa novamente as autoridades e possui importante relevância na saúde pública. Por isso, no Dia Nacional da Saúde, traremos detalhes importantes da patologia e dicas de prevenção. 🦟🦟🦟
 
📍 O vírus da dengue (DENV) é um arbovírus transmitido pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti e possui quatro sorotipos diferentes (DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4). O acúmulo de água parada contribui para a proliferação e disseminação do mosquito. Deste modo, é fundamental evitar deixar água parada, pois os ovos do mosquito podem sobreviver por um ano no ambiente.
 
⚠ Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados, todos oferecidos de forma integral e gratuita por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).
 
A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. A Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) traz abaixo algumas dicas que podem auxiliar na prevenção e combate a dengue:
 
  • NÃO DEIXE ÁGUA PARADA: elimine os locais onde o mosquito nasce e se desenvolve. Evite sua procriação.
  • LIXEIRAS DENTRO E FORA DE CASA: mantenha as lixeiras tampadas e protegidas da chuva. Feche bem o saco plástico.
  • VASILHAS PARA ANIMAIS: lave com água e sabão, duas vezes por semana, os potes com água para os animais.
  • SUPORTE DE GARRAFÃO DE ÁGUA MINERAL: lave-o sempre quando fizer a troca. Mantenha vedado quando não estiver em uso.
  • PRATINHOS DE VASOS DE PLANTAS: mantenha-os limpos e coloque areia até a borda.
  • COLETOR DE ÁGUA DA GELADEIRA E AR-CONDICIONADO: atrás da geladeira existe um coletor de água. Lave-o uma vez por semana, assim como as bandejas do ar-condicionado.
  • PLANTAS QUE ACUMULAM ÁGUA: evite ter plantas que acumulam água, ou retire semanalmente a água das folhas.
  • VASOS SANITÁRIOS: deixe a tampa sempre fechada ou vede com plástico. Em banheiros com pouco uso, dê descarga pelo menos uma vez por semana.
  • BALDES E VASOS DE PLANTAS VAZIOS: Guarde-os em local coberto, com a boca para baixo.
  • RALOS: tampe os ralos com telas ou mantenha-os vedados, principalmente os que estão fora de uso.
  • GARRAFAS: devem ser embaladas e descartadas na lixeira. Se guardadas, devem estar em local coberto ou de boca para baixo.
  • LAJES: não deixe acumular água nas lajes. Mantenha-as sempre secas.
  • PISCINAS: mantenha a piscina sempre limpa, mesmo sem uso. Use cloro para tratar a água e filtre periodicamente.
  • CALHAS: limpe e nivele. Mantenha-as sempre sem folhas e materiais que possam impedir a passagem da água.
  • OBJETOS D’ÁGUA DECORATIVOS: mantenha-os sempre limpos com água tratada com cloro ou encha-os com areia.
  • CAIXAS D’ÁGUA, CISTERNAS E POÇOS: mantenha-os fechados e vedados. Tampe com tela aqueles que não têm tampa própria.
  • CACOS DE VIDROS NOS MUROS: vede com cimento ou quebre todos os cacos que possam acumular água.
  • TONÉIS E DEPÓSITOS DE ÁGUA: mantenha-os vedados. Os que não têm tampa devem ser escovados uma vez por semana e cobertos com tela.
  • FALHAS NOS REBOCOS: conserte e nivele toda imperfeição em pisos e locais que possam acumular água.
  • LIXO, ENTULHO E PNEUS VELHOS: entulho e lixo devem ser descartados corretamente. Guarde os pneus em local coberto ou faça furos para não acumular água.
  • OBJETOS QUE ACUMULAM ÁGUA: coloque num saco plástico, feche bem e jogue no lixo: tampinha de garrafa, casca de ovos, copos descartáveis e outros.
✅ Pratique as dicas de prevenção! Fique atento aos sinais e sintomas! Se precisar, busque avaliação profissional. A dengue pode ser fatal, por isso não dê chance ao mosquito! 🦟

#AgostoDourado | O aleitamento materno é ouro! Suas atitudes também podem ser: estimule e auxilie a amamentação.

Agosto se veste de dourado para celebrar a amamentação. A cor faz alusão ao padrão ouro do leite materno. 

A amamentação é uma das etapas mais importantes para o bebê e para a mãe, visto o número de benefícios que gera para ambos, em especial o fortalecimento do vínculo afetivo. O leite materno contém todas as proteínas, gorduras, vitaminas, açúcares e água que uma criança precisa para se desenvolver, além dos anticorpos e glóbulos brancos que previnem as infecções e as doenças.

Mas além de gerar diversas vantagens para a dupla e para a família, o aleitamento materno também é capaz de reduzir em até 13% a mortalidade de crianças menores de 5 anos, decorrente de causas evitáveis, visto que ele ajuda a prevenir casos de diarreia, infecções respiratórias, doenças como diabetes, colesterol alto e até obesidade. A recomendação mundial é de que o aleitamento deve ser exclusivo até o 6 meses e complementado com adição de alimentos variados até os 2 anos ou mais.

Além dos benefícios já citados, cabe ressaltar os seguintes: 

  • A amamentação promove um melhor desenvolvimento da cavidade bucal do bebê, resultando em dentes fortes, benefícios na fala e na respiração. A recomendação é não oferecer mamadeira e chupetas. 
  • Estudos demonstram que crianças que foram amamentadas apresentam melhor desenvolvimento cognitivo e também adoecem menos. 
  • Amamentar reduz o risco de câncer de mama nas mulheres – redução de 6% a cada 12 meses de aleitamento -, câncer de ovário, de útero, obesidade, depressão e diabetes tipo 2, entre outras doenças.
  • A amamentação acelera a perda de peso pela mãe.
  • Estudos indicam que a amamentação reduz os riscos de fraturas ósseas por osteoporose.
  • O aleitamento materno permite que o útero volte ao tamanho normal mais rapidamente.
  • A amamentação funciona como um importante método contraceptivo nos primeiros 6 meses, entretanto, a mulher deve estar amamentando exclusivamente ou predominantemente e não pode ter tido menstruação.
  • Não existe leite fraco! O leite é feito para o bebê.

Nesse mês também cabe destacar que a mulher estará vivenciando esse processo de forma intensa, sobretudo nos primeiros meses de vida do bebê, então é importante que tenha uma rede de apoio. O pai do bebê e companheiro da mulher tem papel fundamental nesse período, por isso a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) traz 4 dicas de como “ser apoio na amamentação”. Você as encontra aqui preste atenção e as pratique.

Mantenha o padrão ouro do aleitamento materno em suas ações também! 

28 de julho é Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais

🗓 Hoje, dia 28 de julho, celebramos o Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais, tema de extrema importância e relevância para sua saúde.
 
➡️ Você sabe o que são hepatites virais?
Caracteriza-se como hepatite toda inflamação que atinge o fígado, órgão do sistema digestivo, que tem papel principal na desintoxicação do organismo. A hepatite é decorrente, na maioria das vezes, de uma infecção viral, todavia também pode ser desencadeada pelo uso abusivo de substâncias tóxicas – álcool, medicamentos e drogas -, doenças genéticas ou autoimunes.
 
⚠️ Segundo dados do Ministério da Saúde, 1 a cada 30 pessoas têm a doença no país. Em caso de dúvida se adquiriu a doença, basta uma picada no dedo para coletar uma gota de sangue que é misturada ao reagente. O resultado sai em poucos minutos. Quanto mais precoce for diagnosticado, maiores as chances de tratamento, evitando que a doença evolua para cirrose ou câncer de fígado.
 
📍 As hepatites virais podem ser classificadas pelos tipos A, B, C, D e E, sendo os três primeiros mais comuns no Brasil. A seguir, você irá conferir alguns detalhes sobre a transmissão, os sintomas, o tratamento e a prevenção de cada um deles:
 
  1. Hepatite A: chamada de “hepatite infecciosa”, tem como agente o Vírus da Hepatite A – VHA – e a sua transmissão ocorre por meio do contato com pessoas portadoras da doença e pela água ou alimentos que estejam contaminados por esse microrganismo — essa transmissão é conhecida como fecal-oral. Os indivíduos podem apresentar cansaço, febre, enjoo, tontura, dor abdominal, alteração na coloração da urina e das fezes e aspecto amarelado na pele. Os sinais começam a aparecer após 15 dias de infecção, quando ocorrem. É feita a prescrição de medicamentos para controle dos sintomas, controle da desidratação e, em casos graves, como quando ocorre insuficiência hepática aguda, a hospitalização. A melhor prevenção são bons hábitos de higiene, assim como o tratamento da água. É recomendável também evitar a proximidade de locais com esgoto a céu aberto.
  2. Hepatite B: provocada pelo vírus HBV, é transmitida por meio de fluidos corporais – sangue, secreções, entre outros. Desse modo, indivíduos que compartilham objetos de uso pessoal infectados, têm relações sexuais sem proteção com pessoas contaminadas, estiveram em contato com objetos perfurantes com a presença do agente causador, entre outras situações, estão suscetíveis à doença. A hepatite B também pode ser passada de mãe para filho durante a gestação, caso a mãe esteja contaminada. Os sintomas costumam se manifestar após 6 meses de infecção e, majoritariamente, em pessoas acima de 5 anos — crianças mais novas podem apresentar sinais da doença, apesar de ser mais raro. Dentre os indícios da infecção, podemos citar a icterícia – amarelamento da pele e da parte branca do olho -, febre, enjoo, urina escura, fezes claras, dores no corpo, entre outros. Pode surgir de maneira aguda ou crônica quando ultrapassa os seis meses. Como tratamento, o médico responsável indicará os medicamentos adequados para evitar a complicação do quadro, como a cirrose. Além disso, a orientação é que o consumo de álcool e de demais substâncias seja suspenso. Os métodos mais eficientes de prevenção são o uso de preservativos durante as relações sexuais, evitar o compartilhamento de itens de uso pessoal – escova de dentes, alicate de unha, lâmina de barbear, entre outros – , assim como se certificar de que os objetos perfurantes estão esterilizados em locais como estúdios de tatuagem, tratamento de acupuntura. A hepatite B também tem uma vacina disponível no SUS.
  3. Hepatite C: a transmissão ocorre de forma semelhante a do vírus HBV, porque o agente causador se encontra presente no sangue de pessoas contaminadas. Deste modo, é fundamental evitar contato sem proteção com fluidos corporais de indivíduos infectados. Os sintomas da hepatite C são semelhantes aos da hepatite B. Além disso, manifesta-se de forma crônica ou aguda, sendo a primeira mais frequente. Quando não são devidamente tratados, os sintomas podem evoluir para cirrose hepática ou câncer de fígado. Na maior parte dos casos, os médicos recomendam o tratamento com antivirais. Embora não exista uma vacina contra a hepatite C, é possível preveni-la evitando o contato sem proteção com pessoas e objetos que podem estar contaminados
  4. Hepatite D: também se assemelha a de tipo B. Além disso, essa infecção parte da associação do Vírus da Hepatite D – VHD -, com o Vírus da Hepatite B – VHB -, podendo haver contaminação simultânea ou não. Portanto, as formas de transmissão são as mesmas. Seus sintomas também são silenciosos, mas, caso surjam, são da mesma maneira que os da hepatite B: febre, cansaço, náuseas, dores no corpo, variação das cores das fezes e da urina, icterícia, entre outros. O tratamento também envolve uma medicação adequada e recomendação de repouso, suspensão do consumo de bebidas alcoólicas e alimentação balanceada. A prevenção é realizada por meio da adoção de medidas como: evitar contato com objetos contaminados ou com pessoas com suspeita de infecção, vacina contra o vírus VHB, uso de preservativos durante as relações sexuais, evitar compartilhar objetos pessoais e pré-natal adequado para mulheres gestantes.
  5. Hepatite E: é um tipo raro no Brasil, sendo mais comum em países dos continentes africano e asiático. A sua transmissão ocorre por meio fecal-oral. Os sintomas, quando surgem, podem se manifestar entre 15 e 60 dias após a contaminação. Os principais sinais são febre, dores no corpo, fadiga, enjoos, icterícia e mudança na cor da urina – escurecimento – e das fezes – clareamento. Essa hepatite viral também não possui um tratamento específico. A orientação costuma ser a suspensão do uso de bebidas alcoólicas, dieta com poucos alimentos gordurosos e repouso.
✅ No Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) ressalta que somente com o diagnóstico precoce é possível obter maiores chances de eficácia com o tratamento recomendado e reitera a importância de ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina. Os testes rápidos para diagnóstico estão disponíveis no SUS, assim como o tratamento para a doença.
 
Servidor da Unipampa, vá a uma unidade de saúde e faça o teste! Opte pela prevenção e zele por sua saúde sempre. 😉💛

27 de julho é Dia Mundial de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço

No dia 27 de julho, é celebrado o Dia Mundial de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço. Para conscientizar os brasileiros sobre a importância do diagnóstico precoce para a eficácia no tratamento, foi criada a campanha Julho Verde pela Associação de Câncer de Boca e Garganta – ACBG Brasil. 

A campanha visa alertar para um tumor cujos sintomas, muitas vezes, são negligenciados. O principal impasse para o tratamento é o diagnóstico tardio, que ocorre em 60% dos casos, ocasionando perda significativa da qualidade de vida durante e após o tratamento, na maioria dos casos com o comprometimento da fala e outras sequelas funcionais e psicológicas.

Os tumores de cabeça e pescoço são uma denominação genérica do câncer que se localiza em regiões como boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe, esôfago, tireoide e seios paranasais.

Anualmente, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra aproximadamente 40 mil novos casos de cânceres de cabeça e pescoço e salienta que câncer de boca, laringe e demais sítios é hoje o segundo mais frequente entre os homens, atrás somente do câncer de próstata. Em mulheres, é o quinto mais comum, ficando atrás do câncer de mama, tireoide, cólon e reto.

O câncer de cavidade oral é o sétimo mais comum no Brasil. Uso excessivo de bebidas alcoólicas ou de cigarro pode ocasionar a doença, assim como a exposição excessiva aos raios solares. 

O  Papiloma Vírus Humano (HPV) também está associado ao câncer de cabeça e pescoço. O diagnóstico da doença entre jovens – menores de 45 anos – tem se tornado frequente, decorrentes de tumores originados pelo HPV.

Os principais fatores de risco para estes tumores são:

  • Consumo de tabaco – todos os tipos de cigarros, charutos e cachimbos – e álcool.
  • Má higiene bucal.
  • Infecção viral pelo vírus do papiloma humano (HPV), transmitido principalmente através de relações sexuais desprotegidas – inclusive sexo oral.
  • Consumo de bebidas quentes, principalmente as tradicionalmente servidas em temperaturas muito altas, como o chimarrão/mate.
  • Exposição excessiva ao sol – câncer de lábios, couro cabeludo.
  • Exposição durante o trabalho à poeira de madeira, poeira de têxteis, pó de níquel, colas, agrotóxicos, amianto, sílica, benzeno, produtos radioativos.
  • Infecção pelo vírus de Epstein-Barr (EBV), que pode causar a mononucleose infecciosa, uma manifestação do vírus transmitida por contato com outras salivas.

Os principais sintomas do câncer de cabeça e pescoço são:

  • Ferida no rosto/boca que não cicatriza
  • Nódulo persistente no pescoço
  • Mancha avermelhada ou esbranquiçada na boca
  • Dentes moles ou dor em torno deles
  • Mudança na voz ou rouquidão
  • Dificuldade/dor para mastigar ou engolir
  • Caroço no pescoço
  • Irritação ou dor na garganta
  •  Mau hálito frequente

Se forem identificados um ou mais dos principais sintomas e sinais que durem por duas semanas ou mais, recomenda-se avaliação de um profissional capacitado. 

A prevenção do câncer de cabeça e pescoço pode ser realizada por meio da adoção das seguintes medidas: 

  • Não fumar.
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas.
  • Ter alimentação rica em frutas, verduras e legumes.
  • Manter boa higiene bucal.
  • Usar protetor solar e evitar exposição ao sol prolongada.
  • Usar preservativo na prática sexual.
  • Manter o peso corporal adequado.
  • Vacinar-se contra o HPV.

Infelizmente, 60% dos casos de câncer de cabeça e pescoço são diagnosticados em fase avançada da doença. O diagnóstico precoce e o rápido início do tratamento são essenciais para aumentar as chances de cura do câncer de cabeça e pescoço. Quanto mais se retarda o início do tratamento, maior a chance de sequelas para o paciente.

O tratamento pode ser realizado com cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou imunoterapia. Mesmo após o tratamento, o câncer de cabeça e pescoço pode causar sequelas irreversíveis, que impactam na estética facial, na deglutição e  na alimentação, na fala e  também na voz.

A Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) ressalta a importância de estar atento aos sintomas do câncer de cabeça e pescoço e, se perceber alguma alteração, busque avaliação profissional. Quanto mais cedo for identificado o câncer de cabeça e pescoço, maiores são as chances de cura e a redução ou ausência de sequelas. 

O câncer tá na cara, mas às vezes você não vê!

24 de julho é Dia Internacional do Autocuidado

➡ No dia 24 de julho, celebramos o Dia Internacional do Autocuidado, data importante para reforçar a importância dos bons hábitos e cuidados com a saúde que cada pessoa deve ter consigo mesma. O autocuidado deve ser um hábito, pois promove bem estar e proporciona melhor qualidade de vida. 💟
 
O autocuidado divide-se nos seguintes tipos:
 
1️⃣ Físico: consiste no cuidado com o corpo. A prática de atividades físicas e uma alimentação equilibrada, por exemplo, ajudam a manter esse autocuidado.
 
2️⃣ Emocional: práticas que representam esse autocuidado emocional são a psicoterapia, o autoconhecimento, e o autoperdão.
 
3️⃣ Social: é importante manter contato com pessoas que te apoiam, além de praticar a empatia e a solidariedade com o próximo.
 
4️⃣ Mental: esse autocuidado está relacionado ao cognitivo e ao conhecimento. Ter um hobby e reservar momentos para o lazer são importantes para manter a mente ativa, e não apenas funcionando no automático. Faz bem ler um livro, ver um filme, desenhar ou desempenhar outras atividades que estimulem a criatividade.
 
✅ Vale destacar que é necessário trabalhar para que o mental, o físico, o emocional e o social estejam em harmonia. Por isso, em alusão a este dia, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) destaca alguns hábitos que são importantes para a prática do autocuidado:
 
  • Prática de atividade física: auxilia no combate ao estresse, à depressão, à ansiedade e a outras doenças. Destaca-se que o cuidado do corpo e da mente deve ocorrer juntos.
  • Tempo e qualidade adequada do sono: ajuda na revigoração do corpo. São recomendadas aproximadamente 8 horas de sono diárias. Para garantir o descanso da mente, é importante evitar aparelhos eletrônicos antes de se deitar ou uma alimentação pesada. Noites mal dormidas ocasionam diminuição da capacidade de concentração durante o dia e podem causar alterações de humor.
  • Alimentação saudável: é importante a manutenção de hábitos saudáveis, com alimentos que contenham os nutrientes e as vitaminas necessárias para o organismo.
  • Manter uma vida social ativa e tranquila: é essencial tentar viver em harmonia com as demais pessoas. Além disso, é importante ter uma rede de apoio constituída de pessoas próximas e de sua confiança. Ter momentos de diversão, compartilhamento de informações e conversar com os amigos também é autocuidado.
  • Reservar momentos para o lazer ou praticar um hobby: é importante reservar um momento para que você possa relaxar, fazendo o que gosta – leitura de um livro, assistir um filme, passear com seu pet, cuidar de uma plantinha. Esse momento não precisa ter uma finalidade específica, pois será para descontração.
  • Psicoterapia: ajuda profissional pode fazer com que você compreenda melhor a si mesmo e suas tomadas de decisões, auxiliar na resolução de conflitos e, consequentemente, ter mais qualidade de vida. Além de ser recomendada no tratamento de problemas psicológicos, como transtornos de ansiedade e depressão.
🔖 Se você gostou das dicas, tente praticá-las, pois elas fazem diferença para o bem estar. Encontrar harmonia e equilíbrio diariamente, por meio da adoção de hábitos saudáveis e cuidados com o corpo e a mente.
 
Defina você como prioridade e cuide bem de si mesmo! 🥰💟

PROGEPE lança Cartilha com Orientações em Saúde Mental para o retorno ao Trabalho Presencial

Elaborada pelas equipes da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas e coordenado pela Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) e Divisão de Perícias (DP), a Cartilha “Orientações em Saúde Mental para o Retorno ao Trabalho Presencial” dá continuidade ao trabalho de atenção e valorização dos servidores por meio da sensibilização das equipes, sobretudo das chefias e dos gestores. 

Estamos vivenciando um momento de transição, no qual, em virtude da vacinação contra a COVID-19 e do aprimoramento do conhecimento em relação ao vírus, tornou-se viável a retomada de diversas atividades presenciais em todos os âmbitos, inclusive em nossa  instituição. Nesse contexto, o cuidado e a avaliação de processos que englobam esse retorno e questões relacionadas à saúde mental são primordiais. 

A cartilha aborda alguns aspectos importantes a serem valorizados e implementados, são eles: 

  • Comunicação institucional estratégica e transparente; 
  • Revisão das atividades, rotinas e processos de trabalho por meio da gestão participativa; 
  • Promoção de momentos para expressão de pensamentos e sentimentos;  
  • Atenção aos servidores e às equipes; 
  • Acompanhamento e encaminhamento nos casos de necessidade de suporte técnico (psicológico/psiquiátrico). 

Passamos por tempos de incertezas, por isso, atualmente, o que os servidores mais precisam é de um ambiente saudável, afinal, o trabalho é o local no qual todos passam a maior parte do seu dia. Deste modo, desejamos que a cartilha sirva de suporte às equipes, melhorando a comunicação e a empatia entre os colegas, de forma a tornar o retorno presencial mais leve e interessante a todos! 

Boa leitura! 

Aprendendo sobre transtornos mentais | Transtorno Bipolar

A Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEPE), por meio da Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) e da Divisão de Perícias (DP), dá continuidade à campanha “Aprendendo sobre transtornos mentais”.

O objetivo dessa campanha de saúde mental é sensibilizar os colegas, sobretudo aqueles que ocupam cargo de chefia, por meio do compartilhamento de informações que permitam conhecer a patologia, compreender os obstáculos enfrentados pelo servidor e, de forma empática, buscar alternativas para que a rotina de trabalho seja mais produtiva e saudável a todos que compõem a equipe.

A temática de saúde mental escolhida para julho é “Transtorno Bipolar”. Na cartilha deste mês, você encontra sinais e sintomas, tipos de tratamento e diagnóstico. Acompanhe o material (aqui), aprimore seus conhecimentos e também sua sensibilização. O transtorno bipolar é uma doença que deve ser levada a sério, inclusive qualquer um de nós pode desencadeá-la em algum momento da vida. Não duvide, não minimize e não questione!

Desmistificar tabus e acolher de forma adequada impactam na saúde do servidor e podem surtir efeitos positivos em relação ao clima de trabalho e ao suporte às atividades desempenhadas. Informe-se e contribua na promoção de um ambiente de trabalho inclusivo, diverso e humano. 

Aprenda sobre transtornos mentais e diga não à psicofobia!

Servidora da Unipampa, preste atenção aos sinais do seu corpo e consulte o ginecologista regularmente.

🗓 O mês de julho veste-se de verde escuro para representar a conscientização ao câncer ginecológico, que compreende basicamente 5 tipos de tumores: colo de útero, endométrio, ovário, vulva e vagina.
 
➡ O câncer de colo de útero é o 3º tumor mais frequente na população feminina, atrás apenas do câncer de mama e do colorretal. Em 99% dos casos, a doença está relacionada ao vírus HPV, vírus sexualmente transmissível. Deste modo, a forma mais eficaz de prevenção é o uso de preservativos e a realização de exames ginecológicos periodicamente.
 
➡ O câncer de vulva – órgão genital externo da mulher, a entrada que abriga o canal da urina e da vagina – é mais frequente em mulheres após a menopausa. Entretanto, esporadicamente, pode ocorrer em mulheres mais jovens. O câncer de vulva costuma surgir como uma mancha ou ferida que não cicatriza e vai aumentando na região.
 
➡ O câncer de vagina é mais raro e representa aproximadamente 1% dos tumores ginecológicos. Tumores secundários ou metástases de outros tumores – de colo de útero, de endométrio, de ovário e de intestino grosso – são encontrados mais comumente no local do que os tumores primários de vagina.
 
➡ O câncer de endométrio é o tumor de corpo uterino mais frequente. Como os outros tipos, a falta de exames preventivos aumenta significativamente a porcentagem de ocorrência e a possível mortalidade por esse tipo de câncer. O principal sintoma do câncer de endométrio é o sangramento uterino anormal, principalmente após a menopausa.
 
➡ O câncer de ovário é pouco frequente e mais difícil de ser diagnosticado. A maioria dos tumores malignos do ovário se manifesta em estágio avançado – 75% dos casos. Na fase inicial, não causa sintomas específicos, o que dificulta o diagnóstico precoce.
 
🔖 Destaca-se que o exame ginecológico de rotina associado à ultrassonografia pode mostrar achados suspeitos, motivando a investigação com novos exames complementares, como a tomografia e o marcador tumoral CA125.
 
⚠️ São considerados fatores de risco para o câncer ginecológico: tabagismo, iniciação sexual precoce e uso de contraceptivos orais.
 
✅ Portanto, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) ressalta que a melhor forma de prevenção ao câncer ginecológico é evitar o uso de tabaco, conversar com seu ginecologista sobre quais são os métodos anticoncepcionais mais adequados e que não ofereçam risco à saúde, sempre utilizar preservativo durante as relações sexuais e realizar exames e consultas periodicamente.
 
Servidora da Unipampa, preste atenção aos sinais do seu corpo e consulte o ginecologista regularmente. 😉