Arquivo da tag: PROGEPE

#AgostoDourado | Amamentação: um gesto de amor em forma de leite!

Em agosto, celebra-se o Mês de Incentivo ao Aleitamento Materno. A cor que simboliza essa campanha é a dourada, em virtude do aleitamento materno ser considerado padrão ouro, exatamente porque possui todos os nutrientes e transfere toda a imunidade de que o bebê precisa. 🤱
 
O leite materno deve ser o único alimento dos bebês até completarem 6 meses de vida e é recomendado até os 2 anos de idade ou mais, quando a criança também já tem sua alimentação complementada por outros alimentos.
 
📌 Entre os benefícios da amamentação, ressalta-se a proteção para a criança de doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias, bem como a redução do risco de desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes, sobrepeso e obesidade na vida adulta. A amamentação pode evitar também problemas fonoaudiológicos, respiratórios, auditivos e psicomotores na criança. Além disso, traz benefícios para a saúde da mulher porque reduz riscos de câncer de mama, de ovário, diabetes, infarto, além de produzir ocitocina, hormônio que realiza a diminuição do sangramento no pós-parto.
 
O ato de amamentar também contribui para o bem do planeta, pois o leite é produzido pela mulher sem causar agressão ao meio ambiente, não causa gasto de água nem de energia elétrica porque não necessita de preparo. Além disso, a criança que recebe leite materno adoece menos, evitando necessidade de uso de medicamentos e internações hospitalares.
 
📍 A Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) reforça as dicas do Ministério da Saúde para auxiliar a mãe a obter êxito durante o processo de amamentação:
 
A amamentação não deve ser dolorida e nem machucar o peito. Se está machucando, é importante procurar ajuda em um serviço de Saúde ou Banco de Leite Humano.
 
Dê apenas leite materno até os 6 meses de vida do bebê.
 
Não ofereça água, chás, outros leites ou qualquer outro alimento nesse período.
 
O leite materno nunca é fraco, ele é sempre adequado ao desenvolvimento do bebê. Nos primeiros dias, a produção de leite é pequena e esse leite, chamado de colostro, tem alto valor nutritivo e é suficiente para atender às necessidades do bebê.
 
Nos primeiros meses, o bebê ainda não tem horário para mamar. Ele deve mamar em livre demanda, ou seja, sempre que quiser.
 
Durante a mamada, a quantidade de gordura do leite vai aumentando. Se o bebê não tomar o leite do fim da mamada, que tem mais gordura, ele pode sentir fome logo em seguida. Por isso, a mãe deve esvaziar a mama por completo para, depois, oferecer a outra.
 
A partir dos 6 meses, você deve começar a dar outros alimentos saudáveis, mantendo o leite materno até os 2 anos de idade ou mais. Não há necessidade de oferecer nenhum outro tipo de leite para crianças amamentadas. Se for realizado o desmame, é fundamental conversar com o pediatra para que ele possa lhe orientar sobre a fórmula ou fontes de cálcio indicadas, conforme as necessidades do seu filho.
 
Não dê chupetas, bicos e mamadeiras, pois podem levar o bebê a rejeitar o peito da mãe, além de causar problemas nos dentes, na fala e na respiração.
 
Não use medicamentos sem prescrição e orientação médica. Alguns medicamentos podem interferir na amamentação, causando inclusive o desmame precoce ou secando o leite.
 
Não é recomendado fazer dietas para emagrecimento. A mulher que amamenta precisa ter uma alimentação saudável, rica em nutrientes.
 
O consumo de bebidas alcoólicas e cigarros devem ser evitados. Além de causar malefícios à mãe, podem ocasionar danos à saúde do bebê.
 
A mulher que usa drogas ou que é soropositiva não deve amamentar.
 
Não existe contraindicação da amamentação durante a pandemia da COVID-19, mesmo se a mãe tiver confirmação da doença. Neste caso, o Ministério da Saúde recomenda a higienização das mãos e uso de máscara pela mãe durante o processo.
 
Vale salientar que existe uma posição adequada para garantir o sucesso da mamada. Fique atenta aos detalhes e se precisar de orientação, busque ajuda de um profissional.
 
Para garantir a pega correta:
▪️ O bebê deve estar virado para a mãe, bem junto de seu corpo, completamente apoiado e com os braços livres.
▪️ A cabeça deve estar de frente para o peito e o nariz bem na frente do mamilo.
▪️ O bebê só deve ser colocado para sugar quando ele abrir bem a boca.
▪️ Quando o bebê pegar o peito, o queixo deve encostar na mama, os lábios ficam virados para fora e o nariz fica livre.
▪️ Ele deve abocanhar, além do mamilo, o máximo possível da parte escura da mama (aréola).
▪️ Não esqueça que: cada bebê tem seu próprio ritmo de mamar, o que deve ser respeitado.
 
A DASST manifesta seu incentivo ao aleitamento materno, reiterando que esse processo é benéfico tanto para a mãe quanto para o bebê, fortalecendo ainda mais esse vínculo. No entanto, ressalta que, ao apoiar a amamentação, não desmerece aquela mãe que, por algum motivo que compete somente a ela, não conseguiu amamentar ou optou por não fazê-lo.
 
🔖 A maternidade é um momento sublime para a mulher, mas exige adaptações, cuidados e muitas descobertas, sobretudo das dificuldades e das maneiras de superá-las. Nesse sentido, a DASST reforça ainda a importância de uma rede de apoio e de profissionais qualificados para dar suporte à mãe desde a gestação. Lembra-se que, para ser realizado de forma exitosa, o aleitamento materno não deve exigir dor.
 
Amamentar é compartilhar amor em forma de leite! 🤱 💛

Campanha #NãoÉNormal | Sobrecarga Docente e Trabalho Remoto

A Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEPE), através da Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) e da Divisão de Perícias (DP), dá sequência ao seu projeto de saúde mental. A campanha #NãoÉNormal visa suscitar a conscientização e proporcionar reflexão acerca de determinadas situações que, quando presentes, podem impactar negativamente no ambiente de trabalho.

A pandemia, sem dúvida, obrigou uma grande parte dos profissionais a mudar a sua rotina a fim de reestruturar a forma de execução do trabalho. Os docentes tiveram que se adaptar abruptamente a um novo formato de ensino e aos encontros virtuais com seus alunos. Alguns encontram dificuldade no uso das tecnologias e, para darem conta de todas as demandas, muitos precisam realizar atividades fora da carga horária formal de trabalho. Nesse cenário, a sobrecarga de trabalho, que já fazia parte do modo de funcionamento de grande parte dessa categoria profissional, vem se intensificando. 

Justamente pela necessidade de se discutir e refletir sobre esse assunto, a campanha #NãoÉNormal traz como tema do mês de julho “Sobrecarga Docente e Trabalho Remoto”. 

Você encontra neste e-mail uma cartilha que aborda a relação entre sobrecarga docente e trabalho remoto, estratégias individuais e coletivas de enfrentamento dessa sobrecarga, dentre outros tópicos pertinentes. Neste mesmo material, estão inclusas dicas culturais, com o intuito de facilitar ainda mais a compreensão do tema, podendo ser apreciadas nos momentos de lazer, de forma prazerosa.  Você pode acessar a cartilha clicando aqui

Também acompanha este e-mail 5 cards com situações sobre o que #NãoÉNormal, que não podem ser naturalizadas. São frases que visam gerar reflexão e, se necessário, mudanças de hábitos ou até mesmo busca por ajuda profissional. 

Para complementar, a psicóloga da PROGEPE, Camila Perez, elaborou um vídeo de curta duração que contém algumas informações da cartilha de forma simples e sucinta. 

Lembramos que este vídeo, assim como o primeiro da campanha que aborda a Síndrome de Burnout, ficará disponível no canal da Pró-Reitoria de Pessoas (Progepe) no YouTube. Caso ainda não tenha se inscrito, não perca tempo, acesse o canal e inscreva-se para receber as notificações! 

Desejamos que você desfrute do material, faça a leitura de forma atenta, assista o vídeo e as dicas culturais. Você também pode fazer parte desta campanha publicando em suas redes sociais as imagens dos cards junto com a hashtag #NãoÉNormal. Junte-se a nós!

A sobrecarga docente #NãoÉNormal e não pode ser naturalizada no ambiente laboral!

Qualquer dúvida ou sugestão referente à campanha, estamos disponíveis para auxiliá-lo(a). Basta entrar em contato com a DASST, por e-mail. 

Caso você perceba que está precisando de suporte psicológico, entre em contato com a psicóloga Camila, através do e-mail: camilaperez@unipampa.edu.br

27 de julho é Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho

🗓 Hoje é Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho!
 
No contexto da pandemia que permanece em curso e em alusão à data, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEPE) reforça as recomendações relacionadas ao home office encaminhadas pelo Ministério da Economia em maio de 2020, conforme indicações do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) e da Associação Internacional de Ergonomia.
 
📌 Com orientações adicionais apontadas pelo Engenheiro de Segurança do Trabalho da DASST, José Paulo Braccini Fagundes, o objetivo é a prevenção do surgimento de doenças profissionais ou do trabalho, também consideradas acidentes de trabalho, através de um ambiente salubre e confortável, reduzindo riscos de eventuais lesões ou perturbações funcionais e proporcionando maior produtividade. 😉
 
Confira o pdf para acessar as recomendações clicando aqui

Você sabia que a vacina contra a COVID-19 é segura e pode salvar vidas? Pois é, ela reduz muito os riscos de transmissão, de agravamento do quadro e necessidade de hospitalização! 💉
 
Além disso, quanto mais pessoas recebem o imunizante, mais fortalecidos ficamos para combater o vírus.
 
📢 Não acredite em fake news. Acredite na ciência! 📢
Todas as vacinas aplicadas no Brasil tem eficácia comprovada e são aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portanto, não hesite em fazer a vacinação. Acompanhe o calendário e complete o esquema. Lembrando que apenas a vacina da Janssen é dose única. As demais exigem duas doses para garantir a proteção em sua totalidade.
 
Mantenha os demais cuidados como uso de máscara, higienização frequente das mãos e distanciamento social. 😷
 
Não esqueça que o seu cuidado protege você mesmo e os demais ao seu redor. Faça sua parte! 😉

O processo de vacinação está avançando em nosso país. Todos os imunizantes que estão em uso são aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), portanto, são eficazes!
 
📍 A vacina é mais uma medida preventiva essencial no combate ao coronavírus. Vale lembrar que a CoronaVac, a Pfizer e a AstraZeneca necessitam da aplicação de duas doses para garantir a imunidade completa. Fique atento ao prazo para receber a segunda dose do imunizante. Somente a vacina da Janssen é dose única. 💉
 
Mesmo que você já tenha completado o esquema vacinal, deve manter os demais cuidados. Portanto, use máscara, lave as mãos com água e sabão ou higienize com álcool em gel 70%, mantenha distância mínima de 2 metros entre os demais e evite aglomerações. 😷
 
Infelizmente, o vírus ainda circula entre nós e a única forma de proteger a todos, sobretudo aqueles que ainda não foram vacinados, é manter a prática das medidas de prevenção. 😉
 
Continue protegendo a si e aos demais!

24 de julho é Dia do Autocuidado!

🗓 No dia 24 de julho, celebra-se o #DiaDoAutocuidado!
 
A data é um convite para reavaliar alguns hábitos em relação à saúde e, se for necessário, adquirir novos hábitos, mudar o estilo de vida e tomar decisões que impactem de forma positiva em sua saúde e bem estar.
Em 2021, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) traz dicas importantes tanto para o equilíbrio da saúde física e mental quanto no combate ao coronavírus, inimigo que estamos enfrentando desde 2020. Nesse sentido, ressaltamos que a imunidade forte é um dos principais aliados na prevenção de algumas patologias e, sobretudo, na luta contra o coronavírus.
 
🔹 Mantenha uma alimentação balanceada, pratique atividade física – a recomendação é que seja realizado em casa, se possível, sem esquecer de consultar um profissional para lhe orientar.
 
🔹 Preserve seu sono.
 
🔹 Evite consumo excessivo de álcool – se puder, tente abandonar esse hábito
 
🔹 Abandone o hábito de fumar.
 
🔹 Beba 2 litros de água por dia.
 
🔹 Mantenha um momento de lazer – leia um livro, jogue videogame, assista um filme ou qualquer outra atividade que lhe dê prazer. Lembre-se que além de cuidar da saúde física, você também deve manter sua saúde mental em equilíbrio.
🔹 Não esqueça de praticar os cuidados para evitar a contaminação e/ou transmissão do coronavírus: use máscara, lave as mãos com água e sabão ou faça a higienização com álcool 70%, mantenha distância mínima de 2 metros entre os demais e evite aglomerações. Com a colaboração e conscientização de todos, venceremos a luta contra o vírus.
 
🔹 Se você pertence ao grupo prioritário para vacinação contra a COVID-19, acompanhe o calendário e, quando chegar sua vez, faça a vacina. Se já fez a primeira dose da vacina da CoronaVac, Astrazeneca ou Pfizer, fique atento à data da segunda dose, pois a eficácia completa do imunizante só é garantida após completar o esquema com as duas doses.
 
Siga as dicas. Se apresentar qualquer sintoma ou sinais de alterações em seu organismo, não hesite, busque orientação no serviço de saúde mais próximo!
 
📌 Não esqueça: sua saúde sempre deve ser prioridade! 😉

O que você precisa saber sobre as novas variantes da COVID-19

A vacinação contra a COVID-19 avança no país. Conforme chegam mais vacinas, mais pessoas recebem as doses que representam esperança de dias melhores e sem o vírus. No entanto, sabemos que até que todos estejam devidamente vacinados é fundamental manter os demais cuidados para evitar a transmissão e a propagação do coronavírus.

O Brasil já tem registro de casos das variantes do vírus, então a atenção deve ser redobrada! Essas variantes podem causar muitos danos à saúde e até mesmo causar mortes.

Nesse momento, a melhor forma de se manter protegido é continuar utilizando máscara, evitando aglomerações, lavando as mãos com água e sabão ou fazendo a higienização com álcool em gel 70% e mantendo o distanciamento social. Além disso, também fazer a vacina contra a COVID-19 da maneira adequada: respeitando o calendário vacinal e completando o esquema de duas doses no caso dos imunizantes da Pfizer, CoronaVac e AstraZeneca. A única vacina que confere a proteção total com uma dose é a Janssen. Fique atento à sua carteira de vacinação e faça o esquema correto.

Vale lembrar que fazer a vacina contra a Influenza também é extremamente importante, por isso, não hesite. Vá ao serviço de saúde para receber sua dose, respeitando o intervalo de 14 dias entre uma vacina e outra.

A Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) elaborou um material contendo informações sobre as variantes do coronavírus para que você conheça, reflita e continue praticando todas as medidas preventivas para combater o coronavírus. Para acessá-lo, clique aqui

A DASST salienta ainda que variantes do vírus podem sofrer mutações, tornando-se mais perigosas e difíceis de combater. Não desejamos isso, então, não flexibilize os cuidados! 

Proteja a si e aos demais agindo de forma consciente e com responsabilidade. 

Contamos com você para vencer essa luta! 

#JulhoAmarelo | Mês de Combate às Hepatites Virais

A campanha #JulhoAmarelo, Mês de Combate às Hepatites Virais, foi instituída no Brasil pela Lei nº 13.802 em 2019 e tem como objetivo o reforço das ações de vigilância, prevenção e controle das hepatites virais. No dia 28 de julho, é celebrado o Dia Mundial de Luta contra as Hepatite Virais.

A hepatite é caracterizada como uma inflamação do fígado que pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns medicamentos, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas ou genéticas.

A patologia nem sempre apresenta sintomas, mas quando aparecem, eles se manifestam na forma de cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

As hepatites A, B e C são as mais comuns no país, sendo que as hepatites B ou C podem se tornar crônicas e serem assintomáticas. Deste modo, o diagnóstico pode ocorrer de forma tardia e a doença pode evoluir para doença inflamatória crônica, cirrose ou câncer, com a necessidade de transplante do fígado. Já a hepatite D, ocorre principalmente na Região Norte e a hepatite E, é menos frequente no Brasil, tendo ocorrência maior na África e na Ásia.

O Ministério da Saúde recomenda que todas as pessoas com mais de 45 anos de idade realizem o teste, gratuitamente, em qualquer unidade de saúde e, em caso de resultado positivo, façam o tratamento que está disponível na rede pública de saúde. O tratamento para todos os tipos de hepatites é oferecido pelo Sistema único de Saúde, independente do grau de lesão do fígado

As hepatites específicas da campanha Julho Amarelo são: A, B, C, D (Delta) e E. Deste modo, para você conhecer melhor a doença, abaixo estão descritos os principais tipos de hepatites, a via de transmissão e as formas de prevenção contra a doença.

– Hepatite A: que tem o maior número de casos, está diretamente relacionada às condições de saneamento básico e de higiene. É uma infecção leve e costuma se curar sozinha. A principal forma de prevenção é a vacina contra a hepatite A, que é altamente eficaz e segura.

Também é importante praticar as seguintes medidas para preveni-la: lavar as mãos com frequência, principalmente após utilizar o sanitário, trocar fraldas e antes de preparar os alimentos; utilizar água tratada, clorada ou fervida, para lavar os alimentos que são consumidos crus, deixando-os de molho por 30 minutos;  cozinhar bem os alimentos antes do consumo, principalmente mariscos, frutos do mar e peixes; lavar adequadamente pratos, copos, talheres e mamadeiras utilizar  instalações sanitárias; não tomar banho ou brincar perto de valões, riachos, chafarizes, enchentes ou próximo de onde haja esgoto; evitar construir fossas próximas a poços e nascentes de rios; usar preservativos e higienizar as mãos, genitália, períneo e região anal, antes e após as relações sexuais.

Em creches, pré-escolas, lanchonetes, restaurantes e instituições fechadas devem ser adotadas medidas rigorosas de higiene, tais como a desinfecção de objetos, bancadas e chão, utilizando hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária. 

– Hepatite B: é considerada o segundo tipo com maior incidência, atinge maior proporção de transmissão por via sexual e contato sanguíneo. A vacina é a principal medida de prevenção contra a hepatite B, sendo extremamente eficaz e segura. Entretanto, também devem ser adotados cuidados como uso de preservativo em todas as relações sexuais e o não compartilhamento de objetos de uso pessoal, tais como lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, material de manicure e pedicure, equipamentos utilizados em confecção de tatuagem, colocação de piercings ou qualquer outro procedimento no qual tenha ocorrido o contato com sangue. 

Outra forma potente de prevenção contra a hepatite B é  a  testagem de mulheres grávidas ou com intenção de engravidar, visando prevenir a transmissão de mãe para o bebê. A profilaxia para a criança após o nascimento reduz drasticamente o risco de transmissão vertical. 

– Hepatite C: tem como principal forma de transmissão o contato com sangue. A hepatite C é a principal causa de transplantes de fígado. Não tem vacina. A doença pode causar cirrose, câncer de fígado e morte. Para evitar a infecção é fundamental: não compartilhar com outras pessoas qualquer objeto que possa ter entrado em contato com sangue (seringas, agulhas, alicates, escova de dente, etc); fazer uso de preservativo nas relações sexuais. Se a mulher estiver gestante, deve realizar os exames para detectar as hepatites B e C, HIV e sífilis no pré-natal. Em caso de resultado positivo, é necessário seguir todas as recomendações médicas. O Ministério da Saúde salienta que o tratamento da hepatite C não está indicado para gestantes, o tratamento deve ocorrer após o parto. 

– Hepatite D: é causada pelo vírus da hepatite D (VHD) e ocorre em pacientes infectados pelo vírus da hepatite B. A vacinação contra a hepatite B é a principal medida preventiva, uma vez que  também protege de uma infecção com a hepatite D.

– Hepatite E: é causada pelo vírus da hepatite E (VHE) e é transmitida por via fecal-oral, provocando grandes epidemias em certas regiões. A hepatite E não se cronifica, porém, mulheres grávidas que foram infectadas pelo vírus da hepatite E podem desenvolver formas mais graves da doença. A principal medida de prevenção é a melhoria das condições de saneamento básico e de higiene.

No mês de combate às hepatites virais, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) ressalta a importância da testagem, bem como a busca por avaliação no serviço de saúde em caso de algum sintoma ou alteração em sua saúde. Vale lembrar que, quando diagnosticadas de forma precoce, as hepatites podem apresentar mais êxito no tratamento. 

Contra as hepatites virais, informação e testagem são fundamentais!

Cuidados no pré e pós vacinação

A campanha de vacinação contra a Influenza está ocorrendo junto com a vacinação contra a COVID-19. Alguns grupos prioritários podem coincidir e causar a dúvida: qual o imunizante deve ser feito?

A Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) reforça a orientação dos órgãos oficiais: a prioridade é fazer a vacina contra o coronavírus. Não hesite em receber a imunização, pois todas as vacinas têm eficácia comprovada e são aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária!

Após receber o imunizante seu organismo produzirá anticorpos, mas somente a partir da segunda dose, a resposta imune será eficaz e garantirá a proteção esperada no caso das vacinas da Astrazeneca, Pfizer e CoronaVac. Apenas a vacina da Janssen é dose única!

Se você já fez duas doses ou tem um intervalo um pouco maior até a segunda dose da vacina contra a COVID-19, vá ao posto de saúde e faça a vacina contra a Influenza, respeitando o intervalo recomendado de no mínimo de 14 dias entre uma vacina e outra. 

Não esqueça que mesmo vacinado contra a COVID-19 e contra a Influenza, você deve continuar agindo de forma consciente e responsável para combater o coronavírus. Portanto, uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social seguem sendo primordiais para vencer essa batalha.

Faça sua parte!

A distância nos fortalece!

Embora a vontade de visitar os familiares, os amigos ou os colegas de trabalho seja enorme, não devemos flexibilizar as medidas de proteção!

O distanciamento social tem sido grande aliado no combate ao vírus, então não podemos ignorá-lo. Mantenha o uso de máscara, higienize as mãos com álcool 70% ou lave com água e sabão, mantenha distância mínima de 2 metros entre os demais e evite aglomerações. 

Festas, comemorações ou qualquer outro descuido podem trazer muitos danos para você e para todos ao seu redor.  

Se tiver no grupo prioritário para receber a vacina contra a COVID-19, garanta essa proteção. 

Todo cuidado faz diferença para combater o coronavírus! Faça a sua parte!