Arquivo da tag: Outubro Rosa

#OutubroRosa | Se toque! O cuidado com as mamas é uma forma de demonstrar zelo com a sua saúde.

? Em outubro, celebramos a campanha Outubro Rosa, mês de prevenção ao câncer de mama. Você conhece esse movimento e sabe a importância dele? Vamos falar sobre esse tema, então! ?
 
Em 1990, foi criado o Movimento Internacional de Conscientização para o controle do câncer de mama por meio da Fundação Susan G. Komen for the cure. No Brasil, a data de celebração do Outubro Rosa, bem como as atividades para prevenção ao câncer de mama, foi instituída pela Lei nº 13.733 em 2018. Celebrada anualmente, a data visa compartilhar informações e promover a conscientização sobre o câncer de mama (e mais recentemente sobre o câncer do colo do útero), proporcionar acesso maior a serviços de diagnóstico e de tratamento, além de contribuir para a diminuição da mortalidade. Daremos ênfase ao câncer de mama, por ser o enfoque principal da campanha Outubro Rosa desde sua origem!
 
? O que é o câncer de mama?
 
O câncer de mama é mais comum entre as mulheres, no Brasil e no mundo, correspondendo a cerca de 25% dos casos novos de câncer a cada ano. Esse percentual corresponde a 29% entre as brasileiras, conforme o Ministério da Saúde.
 
O câncer de mama é causado pela multiplicação desordenada das células da mama. Esse processo dá origem a células anormais que se multiplicam, formando um tumor. Existem diversos tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento acelerado, enquanto outros crescem mais lentamente, de acordo com a característica de cada tumor.
 
? O que pode aumentar o risco de ter câncer de mama?
 
Se uma pessoa da família – principalmente a mãe, irmã ou filha – foi acometida pela doença antes dos 50 anos de idade, a mulher possui chances maiores de ter um câncer de mama. Quem já teve câncer em uma das mamas ou câncer de ovário, em qualquer idade, também deve ficar atenta. As mulheres com risco aumentado para o câncer de mama devem tomar cuidados especiais, fazendo, a partir dos 35 anos de idade, o exame clínico das mamas e a mamografia, uma vez por ano.
 
? Quais são os sintomas do câncer de mama?
 
O câncer de mama pode apresentar diversos sintomas, sendo o mais fácil de ser identificado pela própria mulher um caroço no seio, dolorido ou indolor. A pele da mama pode ficar parecida com uma casca de laranja; também podem aparecer pequenos caroços embaixo do braço. Todavia, o câncer de mama também pode ser assintomático. Por isso é essencial que a mulher conheça seu corpo e fique atenta a qualquer alteração nas mamas, buscando avaliação profissional em caso de anormalidades.
 
? É fundamental ficar atenta os seguintes sinais e sintomas abaixo também enfatizados pelo Ministério da Saúde:
Alterações no tamanho ou forma da mama, nódulo único e endurecido, vermelhidão, inchaço, calor ou dor na pele da mama, mesmo que não apresente presença de nódulo, nódulo ou caroço na mama, que está sempre presente e não diminui de tamanho, sensação de massa ou nódulo em uma das mamas, sensação de nódulo aumentado na axila, espessamento ou retração da pele ou do mamilo, secreção sanguinolenta ou aquosa pelos mamilos, assimetria entre as duas mamas, presença de um sulco na mama (como se fosse um afundamento de uma parte da mama), endurecimento da pele da mama( semelhante a casca de laranja), coceira frequente na mama ou no mamilo, formação de crostas ou feridas na pele junto do mamilo, inversão do mamilo, inchaço do braço e dor na mama ou no mamilo.
 
Vale ressaltar que o surgimento dessas anormalidades pode ocorrer de maneira isolada ou simultânea. Os sinais nem sempre indicam a presença de um câncer, sendo necessário consultar um médico para ter o correto diagnóstico.
 
? O que é o exame clínico das mamas?
 
É o exame realizado por médico ou enfermeiro treinado para essa atividade. Neste exame poderão ser identificadas alterações e, se necessário, será indicado um exame mais específico, como a mamografia – um raio X que permite descobrir o câncer quando o tumor ainda é bem pequeno e consequentemente apresenta maior chance de cura da doença.
 
? O autoexame previne a doença?
 
O exame das mamas realizado pela própria mulher, apalpando os seios, auxilia no conhecimento do próprio corpo, porém, esse exame não substitui o exame clínico das mamas realizado por um profissional de saúde treinado. Caso a mulher perceba alguma alteração deve procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo de sua residência. Embora não seja encontrada nenhuma alteração no autoexame, as mamas devem ser examinadas uma vez por ano por um profissional de saúde.
 
? Qual é o tratamento para câncer de mama?
 
Existem muitos tipos de tratamento indicados para combater o câncer de mama. O plano terapêutico a ser adotado deverá ser definido pelo profissional médico, mediante a avaliação de todos os exames realizados e pelos dados fornecidos pelo médico patologista, após a realização de biópsia.
 
A paciente deverá ser informada sobre as melhores possibilidades de tratamento existentes de acordo com as peculiaridades de seu caso. Ressalta-se que é direito da mulher questionar e discutir com o médico todas as opções de tratamento disponíveis.
 
? O Ministério da Saúde reitera que a Lei nº 12.732 de 2012 estabelece que o paciente com neoplasia maligna tem o direito a ser submetido ao primeiro tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS) no prazo de até 60 dias, a partir da data de confirmação do diagnóstico em laudo patológico ou, em menor prazo, conforme a necessidade terapêutica do caso.
 
As modalidades de tratamento do câncer de mama podem ser divididas em:
  • tratamento local: cirurgia e radioterapia;
  • tratamento sistêmico: quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica.
? Como prevenir o câncer de mama?
 
Infelizmente, o câncer de mama não é uma doença totalmente prevenível, devido à multiplicidade de fatores relacionados ao seu aparecimento e ao fato de que vários deles não são atitudes modificáveis.
 
De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos fatores protetores, especificamente aqueles que podem ser mudados com a adoção de hábitos saudáveis como a prática de atividade física (sob orientação de profissional capacitado), alimentação saudável, manutenção do peso corporal adequado, evitar a ingestão de bebidas alcóolicas, amamentação e evitar uso de hormônios sintéticos, como anticoncepcionais e terapias de reposição hormonal.
 
No mês de Prevenção ao Câncer de Mama, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) ressalta a importância de estar atenta a quaisquer mudanças em seu corpo, principalmente na região das mamas. Reforça ainda a importância da realização de exames de forma periódica e da mamografia para combate de doenças, entre elas o câncer de mama. Lembrando que nas unidades de saúde também é ofertado a coleta de citopatológico, exame importante a ser realizado e que pode auxiliar na identificação do câncer de colo do útero.
 
Por fim, DASST presta sua solidariedade a todas as mulheres que estão enfrentando essa luta para combater o câncer de mama. Compreendemos que não é fácil, mas com diagnóstico precoce e tratamento adequado, é possível vencer.
 

? Se toque, faça exames, compareça às consultas e se for necessário, faça o tratamento indicado. Sua saúde merece cada segundo de cuidado dedicado a ela! ?

#OutubroRosa | Mês de conscientização sobre o câncer de mama

Outubro é o mês de conscientização sobre o câncer de mama, representado pela campanha Outubro Rosa. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o Movimento Internacional de conscientização para o controle do câncer de mama foi criado no início da década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure.

Com celebração anual, a data visa o compartilhamento de informações, a promoção da conscientização sobre a doença, o aumento de acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e a contribuição para a redução da mortalidade. No Brasil, a data foi instituída pela Lei nº 13.733/2.018.

Pensando nisso, a Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEPE) elaborou um material que responde às seguintes perguntas:

  • O que é o câncer de mama?
  • Quais são os fatores de risco?
  • Quais são os sintomas?
  • Como é feito o diagnóstico?
  • Qual é o tratamento?
  • Tem como prevenir?

Para ter acesso a essas respostas e muito mais informações, clique aqui.

A DASST reitera a importância da prevenção do câncer de mama, bem como estar atento aos sinais e sintomas. Realize os exames de forma periódica, de acordo com a recomendação médica. Ao perceber qualquer alteração nas mamas, busque um serviço de saúde e faça avaliação. Somente com diagnóstico precoce do câncer de mama e tratamento adequado é possível ter maior chance de cura. 

Outubro Rosa: na luta contra o câncer de mama, o acesso à informação, a execução das medidas de prevenção e o uso de recursos disponíveis nos serviços de saúde são os melhores aliados. Quando se trata de câncer de mama, a única oportunidade que deve ser dada é a de CURA!

OUTUBRO ROSA | A busca pelo diagnóstico e o tratamento do câncer é uma luta de todos

No mês de outubro, comemoramos o Outubro Rosa, um movimento de adesão mundial que visa estimular a luta contra o câncer de mama e o seu diagnóstico precoce. A data é celebrada anualmente e tem como objetivo compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença; proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento, bem como contribuir para a redução da mortalidade.

Câncer de mama é o desenvolvimento anormal das células da glândula mamária, que se multiplicam repetidamente até formarem um tumor. Há vários tipos de câncer de mama, por isso, a doença pode evoluir de diferentes formas. Alguns tipos têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem lentamente.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, é o tipo de câncer que mais causa mortes e o mais comum nas mulheres brasileiras, que o consideram a doença mais temida, já que afeta a percepção da sexualidade e a imagem pessoal. Também acomete homens, porém, é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença.

Não existe uma causa única para o câncer de mama. A doença está relacionada a fatores de risco ambientais/comportamentais, reprodutivos/hormonais e genéticos/hereditários. Esses últimos são responsáveis por 5% a 10% do total de casos.

Prevenção

A prevenção do câncer de mama não é totalmente possível em função da multiplicidade de fatores relacionados ao surgimento da doença e ao fato de vários deles não serem modificáveis. De modo geral, baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos fatores protetores, especificamente aqueles considerados modificáveis.

Estima-se que 30% dos casos da doença possam ser evitados quando são adotadas práticas saudáveis como: praticar atividade física regularmente, alimentar-se de forma saudável, manter o peso corporal adequado, não fumar, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e o uso de hormônios sintéticos, como anticoncepcionais e terapias de reposição hormonal. Amamentar também é um importante fator de proteção.

Além disso, o Ministério da Saúde recomenda que a mamografia de rastreamento (exame realizado quando não há sinais nem sintomas suspeitos) seja ofertada para mulheres entre 50 e 69 anos, a cada dois anos, e em mulheres com história de câncer na família – o considerado grupo de risco – deve ser feito a partir dos 35 anos de idade. A periodicidade do exame varia de acordo com a idade, o quadro clínico e o histórico familiar.

Em mulheres que possuem um histórico familiar significativo de câncer de mama e/ou ovário, é possível realizar um teste para analisar se a paciente é portadora de mutações genéticas que predispõem a doença. Em alguns casos raros, mulheres com altíssimo risco de desenvolver câncer de mama podem considerar a possibilidade de fazer mastectomia profilática, isto é, a remoção cirúrgica das mamas, antes do aparecimento da doença (do câncer propriamente dito).

Sinais e sintomas

A principal manifestação da doença é um nódulo (caroço), fixo e geralmente indolor, que está presente em cerca de 90% dos casos quando o câncer é percebido pela própria mulher. Poderá estar associado a mais alguns desses sinais e sintomas:

* Todos estes sinais e sintomas devem ser investigados por um médico.

Diagnóstico

A realização do autoexame das mamas é o primeiro exame a ser realizado pela própria mulher. E esse deve ser feito todo mês após o fim do período menstrual para mulheres acima de 20 anos. Todas as mulheres, independentemente da idade, devem ser estimuladas a conhecer seu corpo para saber o que é e o que não é normal em suas mamas. A maior parte dos cânceres de mama é descoberta pelas próprias mulheres.

Um nódulo ou outro sintoma suspeito nas mamas deve ser investigado para confirmar se é ou não câncer de mama. Para a investigação, além do exame clínico, exames de imagem podem ser recomendados, como mamografia, ultrassonografia ou ressonância magnética.

A confirmação diagnóstica só é feita, porém, por meio da biópsia, técnica que consiste na retirada de um fragmento de nódulo ou da lesão suspeita por meio de punções (extração por agulha) ou de uma pequena cirurgia. O material retirado é analisado pelo patologista para a definição do diagnóstico.

Tratamento

Muitos avanços vêm ocorrendo no tratamento do câncer de mama nas últimas décadas. Há hoje mais conhecimento sobre as variadas formas de apresentação da doença e diversas terapêuticas estão disponíveis. O tratamento depende da fase em que a doença encontra-se (estadiamento), do local em que o nódulo está e do tipo de câncer. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece todos os tipos de cirurgia, como mastectomias, cirurgias conservadoras e reconstrução mamária, além de radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e tratamento com anticorpos. É possível ainda complementar o tratamento com o auxílio de outros profissionais, como o de um psicólogo.

Quando a doença é diagnosticada no início, o tratamento tem maior poder curativo. No caso da doença já possuir metástases (quando o câncer já se espalhou para outros órgãos), o tratamento busca prolongar a sobrevida e melhorar a qualidade de vida.